Antiga Casa Paroquial de Três Arroios transformada em Casa da Cultura

0
351

Em 2013, foi firmado termo de comodato entre a Mitra Diocesana de Erexim-Paróquia Santa Isabel da Hungria de Três Arroios e a Prefeitura daquele município, tendo por objeto a antiga Casa Paroquial, com duração de 20 anos. Por ele, o Município faria a restauração da antiga Casa Paroquial, transformando e mantendo o imóvel como espaço de promoção de atividades culturais para a comunidade local e regional.

A partir de então, a Prefeitura elaborou projeto de restauro do imóvel, que foi aprovado e financiado pela Secretaria da Cultura, através da Lei de Incentivo à Cultura do Estado do Rio Grande do Sul – Pró-Cultura RS. O projeto é da arquiteta urbanista patrimonialista Rosely Hachmann e foi executado no período de 2013 ao corrente ano.

Com o restauro, a nova Casa da Cultura dispõe de: auditório com capacidade para 113 lugares na plateia, sendo dois para cadeirantes e 06 para cadeiras maiores; 03 salas de exposição; uma sala para instalação de museu; uma sala multiuso com capacidade para 12 pessoas e uma para 28; cozinha para oficinas e gastronomia típica; sala de degustação para uso em oficinas; área administrativa, banheiros e elevador. Todos os espaços dispõe de acessibilidade adequada às normas técnicas.

A Casa de Cultura será inaugurada nesta sexta-feira, 09, às 19h.

Dados históricos
A colonização da região do grande Erechim iniciou em 1908. A de Três Arroios, em 1917, com pioneiros de diversas etnias, especialmente alemã, italiana e polonesa. A Empresa Colonizadora Luce-Rosa, com escritório em Gaurama (inicialmente Barro) de 1916 a 1926, agenciou o assentamento de mais de mil famílias em 4 povoações, Três Arroios, Severiano de Almeida (Nova Itália), Dourado e Aratiba (Rio Novo). Ela também promovia a vinda de padres e religiosos para acompanhar os que aqui se estabeleciam.
Em 25 de março de 1919, chegaram a Três Arroios os primeiros três freis franciscanos da Província Imaculada Conceição de São Paulo: Pe. Crisóstomo Adams, Pe. Fidélis Kamp e Irmão Wigbert. Alojaram-se em pequena casa de madeira que devia servir ao mesmo tempo de residência, capela e escola.
No dia 15 de agosto, foi inaugurada a primeira igreja local.
Em 02 de setembro de 1920, chegaram à localidade as irmãs Missionárias Franciscanas de Maria Auxiliadora.
Em primeiro de janeiro de 1932, o Bispo de Santa Maria, Dom Antonio Reis, Diocese à qual pertencia toda a região, até 1951, quando foi criada a Diocese de Passo Fundo, constituiu Três Arroios como Curato. Em 19 de setembro de 1932, Dom Antonio Reis celebrou missa campal no local em que seria construída a nova igreja, lançando a pedra fundamental da mesma. Ela foi construída com pedras carregadas pelos agricultores por tração animal e talhadas com martelo e ponteiro. Neste trabalho destacou-se o senhor Adolfo Klein (*1910 – †1996). A igreja foi inaugurada em 08 de dezembro de 1938, mesmo que não completamente acabada. Ela foi concluída em 1940.
Em dezembro de 1943, com planta aprovada e a devida licença, foi iniciada a construção da nova residência dos freis que serviria também de pequeno seminário. Para a madeira necessária, foram derrubados três pinheiros grandes da propriedade da igreja e procurados alguns angicos. Em 29 de outubro de 1944, os freis passaram a residir na nova casa paroquial, agora restaurada e transformada em Casa da Cultura.
Em 15 de agosto de 1951, Dom Cláudio Colling, Bispo da recém-criada Diocese de Passo Fundo, erigiu a Paróquia Santa Isabel da Hungria de Três Arroios.
Os padres franciscanos permaneceram em Três Arroios até 13 de janeiro de 1957, quando a paróquia passou a ser atendida pelos padres diocesanos. Os primeiros dois foram Tarcísio Utzig, como pároco (até 13/02/1962), e Geraldo Paschoal Moro, vigário paroquial. Os párocos seguintes foram os padres: Wolfang Grabosch (13/01/1962 a 30/4/1971), José Inácio Werlang (até24/5/1977), Pedro Argemiro Della Méa (administrador paroquial, até 15/01/1978), Ivo Moehlecke (até 17 de abril de 1982, com algum tempo sendo substituído pelo Pe. Antonio Rambo), José Kusminski (até 02/02/1986), Eolino Bortolanza (até 1º/3/1987), Avelino Backes (até 09/02/1992), Antonio José Scheffel (até 05/3/1995) e, desde aquela data até agora, Milton Lay Mattia.