Em 2 anos, RS é o Estado que mais retrocedeu em português e matemática no ensino médio

0
251

Dados divulgados pelo Movimento Todos pela Educação mostram que o Rio Grande do Sul é a unidade da federação que mais retrocedeu nos indicadores de qualidade no fim do ensino médio. Apenas 8,9% dos jovens concluíram o 3º ano com aprendizado considerado adequado em matemática em 2015, uma queda de 4,9 pontos percentuais em relação a 2013. Em português a queda foi de 5,5 pontos, com 32,4% dos alunos sabendo o conteúdo básico. Em matemática, a queda também foi verificada no ensino fundamental.

A situação do ensino médio é pior e mostra que apenas outros quatro estados tiveram piora no desempenho em português: São Paulo, Rio de Janeiro, Paraíba e Minas Gerais. Em matemática, 24 estados retrocederam. No entanto, em nenhuma das classificações houve uma queda tão significativa quanto a verificada no ensino médio gaúcho.

Os dados mostram que o Rio Grande do Sul está longe da meta traçada pelo Todos pela Educação de chegar a 2015 com pelo menos metade dos alunos com aprendizado adequado em português e matemática no 3º ano do ensino médio. O levantamento considera o resultado de estudantes de escolas públicas e particulares.

O gerente-geral do Movimento Todos pela Educação, Olavo Nogueira Filho, afirma que o retrocesso do Rio Grande do Sul é preocupante, principalmente levando em conta que o estado apresenta um nível socioeconômico elevado – indicador que impacta no desempenho dos alunos nas avaliações.

“Não é só o resultado ruim que é preocupante, mas considerando que estados que têm nível socioeconômico inferiores e melhores resultados, isso mostra que o Rio Grande do Sul está deixando muito a desejar”, afirma.

Entre os fatores para o retrocesso, ele cita a descontinuidade de políticas na educação por conta das trocas nas gestões estaduais e a desvalorização dos professores, com salários baixos e falta de perspectivas de crescimento na carreira.

Apesar do retrocesso, os percentuais apresentados pelo Estado estão acima da média de todo o país. Em matemática 7,3% dos alunos brasileiros tiveram desempenho adequado, em português o índice ficou em 27,5%. O levantamento considera o resultado de estudantes de escolas públicas e particulares na Prova Brasil e no Sistema e do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica (Saeb), do Ministério da Educação.

Ensino Fundamental
A levantamento do Todos pela Educação considerou também o desempenho de estudantes de todo o país do 5º e do 9º anos do Ensino Fundamental. O Rio Grande do Sul só conseguiu superar a meta em português no quinto ano, com 59,4% de alunos com aprendizado adequado e um avanço de 5,5 pontos em relação a 2013. Em matemática houve uma pequena retração, ficando em 48,4%.

No 9º ano do ensino fundamental,  o Estado ficou abaixo da meta nas duas disciplinas. Em português, no entanto, houve pequena melhora em relação a 2013, passando de 35,1% para 36% de estudantes com aprendizado adequado. Em matemática, além de ficar longe da meta, houve retração: de 19,6% para 17,8% em 2015.

De acordo com o gerente-geral do Todos pela Educação, os dados mostram que os avanços estão se concretizando na primeira etapa do ensino fundamental, mas ficam estagnados no ciclo final e pioram de vez no ensino médio.

“O jovem não mais enxerga a escola como um espaço que faça sentido para a sua vida, já que está descolada dos seus interesses”, diz ele ao citar a estrutura curricular extensa e sem conexão com o que os estudantes querem seguir no futuro.

Para ele, a reforma do ensino médio apresentada pelo governo Michel Temer é positiva no sentido de propor mudança nesse currículo. Mas o especialista critica a falta de foco no professor.

“Sem um olhar cuidadoso para a figura do professor, a reforma não renderá os resultados que a gente espera. Nenhuma política conseguirá fazer a transformação em sala de aula sozinha, porque quem faz isso é  o professor”, afirma ao reforçar a necessidade de salário atrativo e formação de qualidade aos educadores.

Em 2006, ano de sua criação, o TPE definiu cinco metas para melhorar a educação do país até 2022, ano do bicentenário da Independência. A meta 3 aponta para a necessidade de que todas as crianças tenham aprendizado adequado ao seu ano.

A assessoria de imprensa da Secretaria Estadual de Educação informou que antes de uma posição sobre os resultados, a pasta irá analisar o levantamento.

ENSINO 1