Expectativa de boa safra das lavouras de soja e milho na região...

Expectativa de boa safra das lavouras de soja e milho na região do Alto Uruguai se confirma

A colheita das lavouras de soja da região do Alto Uruguai esta praticamente encerrada, com mais de 95% da área colhida, com produtividade média de 3.650 kg/ha, de acordo com informativo conjuntural do Escritório Regional da Emater/RS-Ascar de Erechim. Nesta safra foram cultivados 234 mil hectares com o cereal. A soja no balcão está sendo comercializada a R$ 55,50 a saca. A Emater/RS-Ascar acredita que 30% da produção já foi comercializada e o restante está armazenado.

A cultura do milho, com cerca de 45 mil hectares cultivados na região, também está com mais de 90% da área colhida, com produtividade média 8.585 kg/ha, segundo o informativo conjuntural. Algumas unidades continuam priorizando o armazenamento da soja em detrimento ao milho. O preço do milho permanece estável em relação à semana passada em R$ 21,00/sc para 35 dias. O milho cultivado para silagem já foi colhido, sendo que alguns produtores estão fazendo uma segunda safra de silagem, ainda de acordo com a Emater/RS-Ascar.

A 2ª safra de feijão foi plantada com 490 hectares, sendo basicamente para consumo familiar ou venda direta em feiras ou encomendas. A cultura está com 5% em estado vegetativo e 40% em floração, 30% enchimento de grãos, 25% colhido. Na semana passada, a saca foi comercializada a R$ 100,00/sc.

Olerícolas
Os produtores estão realizando tratos culturais, principalmente, nas olerícolas que são cultivadas o ano inteiro para abastecer as feiras municipais, que acontecem em toda a região, e o mercado local. Entre as principais cultivares estão alface, cenoura, beterraba, couve-flor e repolho. Alface está sendo comercializada a R$ 2,00 ou R$ 2,50 conforme o local.

Situação da fruticultura
Noz pecan – O fruto começa a ser colhida e apresenta boa qualidade, de acordo com informativo do Escritório Regional da Emater/RS-Ascar de Erechim.  Também começam a aparecer áreas com produção. Preço comercializado com casca: R$ 22,00/kg, descascado em torno de R$ 50,00/kg.

Caqui – O quilo da fruta esta sendo vendido a R$ 2,00/kg pelo produtor.

Uvas – De acordo com a Emater/RS-Ascar, há expectativa de plantio de novas áreas de videira para consumo local e regional, pois as existentes não conseguem abastecer o mercado regional que acaba importando uvas de fora, principalmente para produção de sucos e vinhos coloniais.

Pinhão – A colheita na região já iniciou com frutos de boa qualidade e quantidade superior à cultivada no ano passado. O produtor está comercializando entre R$ 4,00 a R$ 7,00/kg

Situação das criações
Apicultura: Com a baixa das temperaturas e redução das floradas, a atividade das abelhas reduziu na semana. A maioria dos apicultores conseguiu realizar apenas uma colheita de mel nesta safra. O mel na semana passada foi negociado entre R$ 15,00 e RS 20,00 o quilo. Preço estável na semana.

Bovinocultura de leite: A oferta e a qualidade das forragens diminuíram em função do clima o que pode prejudicar a produção leiteira.  Continua a implantação das forrageiras de inverno. O leite foi comercializado entre R$ 0,80 e 1,60, em média a R$ 1,20.  Preço estável na semana.

Piscicultura: Começa o declínio da taxa de crescimento dos peixes em função do início do período frio. A principal forma de comercialização da região é a venda direta ao consumidor nas propriedades dos piscicultores ou em feiras do peixe vivo. A maior parte do povoamento dos açudes já foi realizada. .Há falta de compradores para grandes volumes de pescado.

Suinocultura: A atividade suinícola sofre as consequências da operação “Carne fraca” da polícia federal. Os produtores ainda continuam muito preocupados com o mercado da carne brasileira, que demonstra certa instabilidade. Integrados estão recebendo R$ 3,30/kg do suíno vivo, mais tipificação de carcaça. Preço estável na semana.