Intolerância à lactose pode surgir em diferentes momentos da vida

0
217

A intolerância à lactose veta a digestão de alimentos que contenham o açúcar encontrado no leite e seus derivados, em alimentos como pão, cereal, carne para sanduíches, molhos para salada, bolos, biscoitos e panquecas. Ao ingeri-los, a pessoa sob essa condição pode apresentar dor abdominal, gases, diarreia e até uma inflamação no estômago. O médico pode fazer uma análise do sangue, um teste de bafômetro ou um exame de fezes para detectar se os problemas são devidos a esta intolerância.

Nos rótulos dos alimentos, procure pelas palavras: leite, soro de leite, requeijão, laticínios, leite desidratado, sólidos de leite e leite em pó. Se qualquer um destes ingredientes estiver descrito na embalagem, o produto contém lactose.

Causas, incidência e fatores de risco
A intolerância à lactose se apresenta quando o intestino delgado não produz enzima lactase o suficiente. O organismo dos bebês fabrica esta enzima para que eles possam digerir o leite materno. Mas, antes de os seres humanos se tornarem agricultores e produtores de laticínios, a maioria das pessoas não continuava bebendo leite em sua vida, de modo que não produziam lactase após a infância.

A intolerância à lactose pode surgir em diferentes momentos da vida. Nas pessoas de raça branca, normalmente começa a aparecer em crianças com mais de cinco anos. Enquanto na raça negra, a condição geralmente ocorre até os dois anos de idade. “A deficiência de lactase também pode ocorrer como resultado de doenças intestinais, como a celíaca e a gastroenterite, ou após uma cirurgia intestinal”, completa o gastroenterologista Federico Garis.

Sintomas e tratamento
Inchaço abdominal, cólica, diarreia, fezes flutuantes ou com cheiro fétido, gases (flatulência), desnutrição, náuseas, crescimento lento e perda de peso são sintomas que geralmente ocorrem após comer ou beber produtos lácteos.

A remoção dos laticínios da dieta geralmente melhora os sintomas. No entanto, não incluir o leite na dieta pode levar a uma carência de cálcio, vitamina D, riboflavina e proteína, alerta a Associação Americana de Gastroenterologia, Hepatologia e Nutrição Pediátrica. Esta deficiência pode ser compensada com alimentos como: vegetais folhosos, ostras, sardinha, salmão enlatados, camarão e brócolis e sucos com adição de cálcio.