Justiça derruba liminar que proibia cobrança extra por bagagens em voos

Justiça derruba liminar que proibia cobrança extra por bagagens em voos

88

Uma decisão da Justiça Federal do Ceará derrubou a liminar que impedia as companhias aéreas de cobrarem valores separados por bagagens em voos nacionais e internacionais. Na decisão, o juiz Alcides Saldanha Lima diz acreditar que as novas regras são benéficas aos consumidores, já que que a cota de bagagens não seria embutida nas passagens.

Além disso, o magistrado destacou um dos itens propostos pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), que aumenta o limite da bagagem de mão de cinco para 10 quilos. O órgão ainda não se posicionou, já que não foi notificado.

Entenda
A proibição da taxa extra foi determinada em caráter liminar em 13 de março a partir de um pedido do Ministério Público Federal (MPF) em São Paulo. A Anac recorreu através da Advocacia-Geral da União (AGU). As regras antigas, definem as franquias mínimas de bagagem despachada: 23 quilos em voos nacionais e duas malas de 32 quilos em internacionais.

Não há previsão para o início da cobrança.Uma decisão da Justiça Federal do Ceará derrubou a liminar que impedia as companhias aéreas de cobrarem valores separados por bagagens em voos nacionais e internacionais. Na decisão, o juiz Alcides Saldanha Lima diz acreditar que as novas regras são benéficas aos consumidores, já que que a cota de bagagens não seria embutida nas passagens.