Operação encontra agrotóxicos com suspeita de roubo cometido em 2017

0
130

A Polícia Civil de Erechim, em ação desencadeada pela 1ª Delegacia de Polícia Civil com apoio da Delegacia Especializada em Furtos, Roubos, Entorpecentes e Capturas (Defrec) e outras delegacias da região, apreendeu grande quantidade de agrotóxicos com suspeita de terem sido roubados de empresas legais do setor.

A ação, coordenada pelo delegado Rodrigo Dreyer, da 1ª Delegacia de Polícia Civil de Erechim, envolveu pelo menos 25 policiais e tinha como objetivo investigar um roubo de agrotóxicos cometido ainda em janeiro deste ano, que teria envolvido cerca de R$ 1,8 milhão em produtos de uma única empresa de Erechim.

De acordo com o delegado Rodrigo, a investigação se seguia desde a ocorrência do roubo. “De lá para cá, fomos recebendo informações, investigando e chegamos a esta ação deflagrada hoje. Então recuperamos diversos produtos da mesma marca roubada, alguns possuindo numeração de lote, preliminarmente que não fechariam com os anunciados no roubo, e outros diversos sem embalagens, o que dificulta a identificação do lote, mas que seriam do mesmo produto. Tudo isso nos leva a suspeitar que a procedência destes produtos seja mesmo de origem criminosa”, destacou.

A apreensão realizada nesta quarta-feira (14) aconteceu em uma propriedade no interior de Três Arroios. Durante a ação, foram cumpridos cinco mandados de busca, incluindo em um bar localizado no centro de Erechim.

No bar, a Polícia investigava a participação de um indivíduo pelo mesmo crime dos agrotóxicos. Mas ele acabou preso por tráfico de drogas, já que no local foram localizadas cerca de 300 gramas de cocaína, parte já fracionada, o que segundo o delegado Rodrigo, “é bem característico do tráfico”.

Também foi aprendida munição e uma balança de precisão.

Próximos passos
De acordo com Rodrigo Dreyer, o indivíduo preso nesta quarta vai responder por tráfico, mas a investigação passará a ser feita pela Defrec.

Quanto aos investigados no caso dos agrotóxicos, a investigação segue. “Estamos tentando localizar os autores do roubo, o que não necessariamente são as mesmas pessoas que receberam, mas que se comprovadas a receptação, também responderão pelo crime”, enfatiza.