Os efeitos da ansiedade sobre a pressão arterial

0
1163

No mundo moderno, a ansiedade é um sentimento cada vez mais presente na vida de todos nós. Ela pode ser causada por inúmeros fatores, desde o estresse devido ao excesso de trabalho, até doenças, dietas inadequadas, má qualidade do sono, problemas emocionais ou familiares, entre outros. Em momentos de pressão, ela é potencializada e, em casos específicos, pode desencadear impactos bastante negativos para a saúde.

Segundo a gerente médica da unidade MIP (Medicamento Isento de Prescrição), Talita Poli Biason, quando a ansiedade é leve e passageira, o ideal é realizar ajustes na rotina, incluindo a prática regular de atividades físicas, hábitos alimentares adequados e boas noites de sono, por exemplo. “Caso os episódios de ansiedade se tornem crescentes e contínuos, a pressão arterial pode começar a se elevar, o que é bastante perigoso para o bom funcionamento do organismo”, alerta.

Especialistas da Universidade Federal de Minas Gerais, da Universidade Federal de Ouro Preto e da Fundação Mineira de Educação e Cultura (Fumec) realizaram uma revisão bibliográfica sobre a influência dos fatores emocionais e a pressão arterial. No estudo foram apresentados os efeitos da ansiedade, da felicidade e da raiva em pacientes que sofriam de pressão arterial limítrofe, ou seja, a pressão ligeiramente superior a 140/90 mmHg e mais baixas em alguns momentos. Concluiu-se, a partir das relações pesquisadas, que os três estados emocionais elevam a pressão arterial, encontrando-se forte associação entre a intensidade da ansiedade e a pressão arterial diastólica (a que possui o menor valor durante a aferição).

O estudo também aponta que, em situações de ansiedade, o cérebro prepara o corpo para a ação como forma de resposta, elevando a pressão arterial, a frequência cardíaca e a respiração, logo, existe uma ligação entre as emoções e o sistema cardiovascular.

Pode-se compreender, portanto, que pessoas ansiosas têm maior risco de sofrer com picos de pressão arterial, por isso, é necessário se atentar às exposições diárias de estresse e tensão, seja no ambiente profissional ou pessoal, a fim de evitar a evolução da ansiedade para níveis alarmantes. “Vivemos em uma sociedade extremamente estressada, as exigências de desempenho, a competitividade e as escolhas pessoais e profissionais têm peso enorme e caminham paralelas aos fatores emocionais. Por isso, é essencial dar atenção a certos tipos de emoções, para evitar que a ansiedade se torne um problema que atrapalhe o cotidiano”, explica Talita.

Nestes casos avançados ou preocupantes, o indicado é buscar ajuda médica e tratamento especializado, mas quando se tratar de quadros de ansiedade menos preocupantes ou iniciais, se recomenda o uso de medicamentos fitoterápicos, como os que contêm Passiflora incarnata L., pois são calmantes, sedativos e ansiolíticos, auxiliando na ansiedade, irritação e no estresse.