Pesquisadores criam soro para picada de abelhas

0
196

Ricardo de Oliveira, coordenador do Centro de Estudos de Venenos e Animais Peçonhentos da Unesp – Botucatu explica que as abelhas são insetos que só atacam quando se sentem ameaçados.

 Para combater o veneno das abelhas, pesquisadores da Unesp de Botucatu (SP), e do Instituto Vital Brasil desenvolveram um soro antiapílico. Ele é feito com o próprio veneno da abelha. Um recipiente é colocado embaixo da colmeia e uma pequena descarga elétrica é dada, contraindo a musculatura do inseto, que assim, libera parte do veneno. Segundo o pesquisador, as abelhas não morrem durante o processo.

O soro é indicado para casos graves, quando a pessoa recebe mais de 100 picadas. Em situações assim, o volume de veneno é tão grande que pode destruir os músculos e parar os rins. O novo antídoto age bloqueando o efeito do veneno, evitando complicações mais sérias.

O soro está disponível, por enquanto, em hospitais de três cidades do Brasil: Botucatu (SP), Tubarão (SC) e Uberaba (MG). A fase é de testes e o produto só é aplicado em pessoas que aceitam participar da pesquisa.