Professores estaduais decidem paralisar atividades até sexta-feira

0
40

Os professores da rede estadual do Rio Grande do Sul decidiram paralisar as atividades nas escolas até sexta-feira (4). A greve por tempo determinado foi definida em assembleia do Cpers-Sindicato, realizada nesta terça-feira (1) em frente ao Palácio Piratini, em Porto Alegre.

O motivo da greve é o novo parcelamento dos salários dos servidores estaduais, com a liberação de R$ 650 por matrícula no primeiro dia de pagamento. Este é o 18º parcelamento consecutivo feito pelo Piratini.

Uma nova assembleia será realizada na sexta-feira, no mesmo local, para decidir os rumos da mobilização.

A presidente do Cpers-Sindicato, Helenir Schürer, destaca que há decisão judicial de setembro de 2016 obrigando o Estado a pagar os salários em dia. Ela reclama o não cumprimento da ordem e diz que, após a greve realizada no ano passado, ficou acertado com o governador José Ivo Sartori a criação de uma mesa de negociação permanente.

– Já perdemos as contas de quantos pedidos de audiências fizemos ao governo. Temos pautas que não têm impacto financeiro e não conseguimos discuti-las – afirma.

Helenir diz que o recebimento de apenas R$ 650 no primeiro dia de pagamento dos salários foi determinante para o movimento.

A Secretaria Estadual da Educação (Seduc) afirma que não recebeu ainda nenhum comunicado oficial do Cpers sobre o início da greve e que não vai se manifestar por enquanto.

A Secretaria Estadual da Educação (Seduc) disse que não recebeu ainda nenhum comunicado oficial do Cpers sobre o início da greve e que não vai se manifestar por enquanto.

Em março deste ano, a categoria fez greve durante 16 dias para cobrar, entre outras demandas, o pagamento do piso nacional do magistério. A paralisação, que registrou baixa adesão, foi encerrada sem avanço nas negociações com o governo estadual.