Representantes da cadeia produtiva da erva-mate se reúnem em Erechim

0
283

Erechim sediou na última terça-feira (29), no Centro de Treinamento de Agricultores (Cetre), uma das rodadas de reuniões que estão sendo realizadas no Estado nos Polos Produtivos de Erva-Mate, com representantes da cadeia produtiva. O objetivo é ouvir as demandas das entidades representativas e parceiras sobre o momento atual desta cultura.

As reuniões também visam à construção do Programa Estadual de Melhoria da Qualidade da Erva-Mate. Participaram da abertura do encontro o gerente Regional da Emater/RS-Ascar de Erechim, Gilberto Tonello, o presidente do Instituto Brasileiro do Mate (Ibramate), Valdir Zonin, o assistente técnico estadual de Erva-Mate, Antonio Borba, o coordenador Regional da Fetag, Adilson Machado, o vice-presidente da Aspemate, Dilei Anzolin, o diretor do Sindimate, Sérgio Picolo, o assistente técnico regional da Emater/RS-Ascar de Passo Fundo, Ilvandro Barreto de Mello, o técnico da Gerência de Classificação e Certificação, Eduardo Juliano Fernandes, e o coordenador do Cetre, Jorge Silvano Silveira.

Logo após a abertura, Valdir Zonin coordenou os trabalhos, chamando atenção para a expansão do mercado consumidor do chimarrão, derivados e dos novos produtos da erva-mate.  Também relatou as principais políticas públicas estaduais vinculadas às secretarias da Agricultura (Seapi) e de Desenvolvimento Rural (SDR) e do Fundomate e Ibramate como, por exemplo, o Cadastro Ervateiro (Programa Geomate-ilex em parceria com a UFSM) e a regulamentação do Selo de Legalidade previsto na Lei Estadual 14.185 de 2012, que também depende do Projeto de Lei Federal que está em construção e já foram debatidas audiências públicas realizadas em Arvorezinha e em Curitiba.

O gerente Tonello destacou a importância da erva-mate em seus aspectos econômico, ambiental, social e cultural, bem como o papel da Emater/RS-Ascar nos trabalhos de Assistência Técnica e Extensão Rural e Social. Antônio Borba apresentou a proposta metodológica inicial, objetivos e metas do Programa.

Já o técnico Eduardo relatou os trabalhos da Gerência de Classificação e Certificação da Emater/RS-Ascar relacionados à erva-mate.  Ilvandro Barreto também comentou aspectos da reunião de Machadinho, da erva-mate Cambona 4 e as peculiaridades daquela região.

Ao final desta construção coletiva foram anotados os principais pontos levantados no Polo Alto Uruguai relacionados aos temas: Boas Práticas Agrícolas (matrizes, semente, mudas, plantios, tratos culturais, manejo nutricional, poda, colheita e transporte); Boas Práticas de Fabricação (cuidados e exigências no processamento); e Classificação e Certificação.

Também foi debatido o preço do produto, que é considerado baixo pelos produtores, bem como a relação produtor, intermediários e indústrias. Outro ponto defendido pelos participantes foi a necessidade de melhoria da qualidade da matéria-prima, principalmente nos aspectos de sombreamento, nutrição e manejo sustentável e ciclo de maturação mínimo de 18 meses.

O representante do Sindimate RS e Indumate do Alto Uruguai, Sergio Picolo, da Ervateira Barão, destacou a importância da construção de um relação mais estável entre produtor e indústria, levando em conta políticas que atendam aos interesses dos agricultores e também das ervateiras. Picolo também observou que mercado global vem se expandindo para erva-mate de qualidade e derivados, principalmente na Europa e Ásia.

A previsão é de que o programa seja lançado em março de 2017, com metas específicas de formação, capacitação, Aters, visando melhorar a qualidade da matéria prima (ervais plantados), através de um manejo mais sustentável, bem como do produto final erva-mate, chimarrão ou tererê, e novos produtos (chás, energéticos, bebidas, concentrados, medicamentos, gastronomia e cosméticos).