RGE alerta para cuidados com a instalação de enfeites luminosos no Natal

0
299

Faz parte da tradição natalina o uso de luzes para embelezar e iluminar residências, comércio e ruas das cidades no final de ano. Pela tradição católica, a montagem da Árvore de Natal, assim como a decoração de fachadas com as clássicas lâmpadas coloridas, deve começar em 30 de novembro, quando se inicia o tempo do avento. Para garantir que as festividades de fim de ano ocorram com segurança, economia e alegria, a Rio Grande Energia (RGE), distribuidora do Grupo CPFL Energia, dá dicas de utilização destes produtos.

Antes de iniciar a decoração das fachadas e instalação dos enfeites nas Árvores de Natal, é importante verificar as condições dos fios dos piscas-piscas. É comum que, ao longo do tempo após vários anos de uso, os cabos do enfeite fiquem ressecados ou rompidos. Nestas condições, a RGE recomenda a compra de um novo enfeite para evitar choques elétricos, curtos-circuitos e até incêndios, além que gerem gastos desnecessários no consumo de energia elétrica.

Outra precaução de segurança é checar o estado das instalações elétricas antes de ligar qualquer enfeite natalino à tomada, verificando se a capacidade e a resistência dos condutores, tanto da fonte de energia quanto dos enfeites em si, são compatíveis com a carga elétrica requerida. Assim, o consumidor deve ficar atento às informações sobre potência, tensão de alimentação e instruções de uso que constam nas embalagens dos piscas-piscas.

“Não se deve fazer nenhuma instalação elétrica sem conhecimento. O correto é contratar um eletricista qualificado para abrir o quadro de força de sua casa e verificar todas as conexões de cabos. Uma fiação defeituosa ou solta, somada a uma sobrecarga adicional, é causa comum de danos graves, como o superaquecimento, choques e até a queima da fiação elétrica e consequente incêndio da casa. Nunca ligue vários enfeites em uma tomada usando o perigoso benjamim, ou faça emendas de fios, que também podem ser pontos de superaquecimento”, diz Gerente de Serviços de Rede Centro da RGE, Luiz Carlos Moreira Junior.

Distribuir a demanda adicional de energia elétrica gerada pelo uso de luzes decorativas, enfeites luminosos, presépios e outros acessórios elétricos entre diferentes pontos da casa diminui a possibilidade de uma faísca por sobrecarga ou superaquecimento dos cabos. O ideal é que os acessórios tenham fusíveis de proteção para isolar a falha sem afetar o circuito completo da casa.

Certifique-se de que os enfeites sejam de boa qualidade, certificados pelo Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro). Essa certificação garante maior segurança, por assegurar que os equipamentos foram submetidos a vários testes antes de chegar ao mercado. Lembre-se de realizar as instalações do pisca-pisca sempre com ele desligado da tomada.

Não é recomendada a colocação dos enfeites luminosos próximos a piscinas ou em locais molhados. Em áreas sujeitas a chuvas, o consumidor os modelos de piscas-piscas resistentes à água. A pessoa também deve evitar, a todo custo, instalar a decoração natalina com os pés ou mãos molhadas dado o risco de choque.

Dentro de casa, o alerta é para que as crianças tenham acesso vigiado à Árvore de Natal, pois elas podem sofrer choque elétrico ou provocar acidentes ao mexer nos enfeites. Antes de sair de casa, não se esqueça de desligar os enfeites luminosos.

Verifique se a Árvore de Natal é resistente ao fogo. Se possível, opte pelos modelos anti-inflamáveis. Deve-se também evitar o contato dos piscas-piscas com objetos e enfeites que podem ser inflamáveis.

Ao comprar um enfeite novo, opte por produtos LED (Light Emitting Diode), que, apesar de mais caros, duram mais e são mais econômicos. Os cordões natalinos convencionais utilizavam filamentos incandescentes, ou seja, são de baixa eficiência e com consumo de energia mais elevado.

Com a popularização do LED, o mercado oferece cordões com mais de 300 pontos de luz consumindo menos de 10 watts. Os LEDs são mais seguros, pois trabalham a baixas temperaturas. Cuidados devem ser tomados para não efetuar emendas que podem prejudicar o seu funcionamento e, eventualmente, causar um curto circuito.

Distância segura
Para o comércio ou mesmo as residências que possuem enfeites na fachada, é necessário manter uma distância segura entre a decoração externa e a rede de distribuição de energia elétrica da CPFL. Não suba em postes ou em árvores próximas da rede elétrica para pendurar os enfeites e nunca tente fazer ligação direta da iluminação natalina na rede elétrica da distribuidora de energia.

Os enfeites também devem ser bem afixados, de forma que não arrebentem durante um temporal, vindo a ser lançados na rede e podendo provocar um curto-circuito. No caso de dúvidas sobre a instalação externa, consulte sempre a distribuidora.

Dicas na iluminação de Natal
Providencie uma revisão das instalações elétricas antes de iniciar a decoração e faça uma boa revisão dos fios decorativos e dos piscas antes de instalá-los.

• Sempre faça a instalação das luzes de Natal com o circuito desligado;
• Não utilize benjamins e tenha cuidado para não ultrapassar o limite de carga da tomada que liga as lâmpadas;
• Não faça emendas nos fios do circuito de iluminação de Natal;
• Não tente ligar o enfeite diretamente na rede elétrica externa (da distribuidora de energia).
• As luzes devem ser desligadas quando não houver alguém na casa ou quando estiverem dormindo;
• Por serem fontes de calor, as luzes necessitam de acompanhamento contínuo;
• Não faça instalação próxima de piscinas ou áreas alagadas;
• Adquira produtos certificados com o selo do Inmetro em lojas especializadas e utilize iluminação à prova d’água em ambiente externo;
• Não utilize estruturas metálicas próximas da rede elétrica e não suba nos postes ou árvores próximas de redes elétricas para instalar os enfeites;
• Evite o contato das lâmpadas com objetos e enfeites que podem ser inflamáveis, como cortinas e tapetes;
• No caso das árvores de Natal, é importante procurar pela etiqueta “resistente ao fogo”;
• Evite o uso de luzes elétricas e piscas que contenham metal, pois estes materiais podem conduzir energia e provocar choques elétricos;
• Cuidado com as crianças! Elas sentem-se atraídas pelas lâmpadas e podem sofrer acidentes elétricos ao manusearem indevidamente os enfeites;
• Na dúvida, consulte sempre um eletricista credenciado.

A escolha das lâmpadas
É possível encontrar enfeites luminosos de Natal à base de LEDs no mercado, porém a um preço um pouco maior. O diferencial é que um “pisca-pisca” com até 300 lâmpadas LED possui em média uma potência de 6W a 10W. Além disso, as lâmpadas LED duram mais, produzem menos calor sendo assim mais seguras. Se puder optar por eles, os benefícios são:

• Luzes mais econômicas que consumem menos energia;
• Brilho mais intenso;
• Vida útil maior;
• Esquentam menos do que as lâmpadas convencionais, o que diminui o risco do calor incendiar artigos inflamáveis, como árvores de Natal com decorações de papel etc.

Consumo
O consumo de energia vai depender da quantidade de lâmpadas que serão utilizadas. Cada pequena lâmpada incandescente utilizada na decoração das árvores de Natal consome entre 1 watt e 5 watts. Portanto, um conjunto cem luzinhas (o modelo mais comum encontrado no mercado), de 1 watt cada, por exemplo, tem uma potência equivalente entre 100 W (o mesmo que uma antiga lâmpada incandescente de 100 W), que se ficar acesa durante 4 horas por dia consome 12kWh/mês de energia elétrica. Já um conjunto de até 300 lâmpadas em LED consome até 10W.