Sobe para 41 o nº de municípios em situação de emergência no RS

0
163

Entre a manhã e a tarde desta quinta-feira (1), mais 11 municípios gaúchos assinaram decretos de situação de emergência devido à chuva no Rio Grande do Sul. Agora, são 41 municípios aguardando a homologação pelo Estado e pela União.

Entre os novos decretos está o da prefeitura de São Sebastião do Caí, onde, no começo da semana, mais de 100 famílias estavam fora de casa. O número caiu para 35.

Em todo o Estado, são 74 municípios atingidos pelas chuvas das últimas semanas, e 903 famílias estão fora de casa (674 desalojadas e 229 famílias desabrigadas). Durante a manhã, a Defesa Civil do RS informou que 4,8 mil pessoas haviam sido removidas de suas residências – no entanto, o número foi corrigido para 3,9 mil na tarde.

São Jerônimo, Itaqui, São Borja, Uruguaiana, Iraí e Montenegro estão entre as cidades mais atingidas. A Defesa Civil segue em atenção para o nível do Rio Uruguai, que está subindo em diversos pontos.

No Diário Oficial da União, está publicado o reconhecimento da situação de emergência dos municípios de Dom Pedrito e Tenente Portela. O documento prevê a liberação de recursos para que as prefeituras façam a reconstrução dos danos nas cidades.

Nas outras cidades onde o decreto ainda não foi homologado, o Estado apenas presta ajuda humanitária, com entrega de doações.

Situação de emergência
Estão em situação de emergência os municípios de Tiradentes do Sul, Campo Novo, Três Passos, Coronel Bicaco, Tenente Portela, Panambi, Cristal, Sertão, São Jerônimo, Tunas, São José das Missões, Itaqui, Casca, São Borja, Pedras Altas, Boqueirão do Leão, Dom Pedrito, Barros Cassal, Vila Lângaro, Barão de Cotegipe, Três Arroios, Ponte Preta, Miraguaí, Irai, Cristal do Sul, Uruguaiana, Boa Vista das Missões, Paim Filho, Lagoão, São Nicolau, São Sebastião do Caí, Gentil, Ibirapuitã, Soledade, Garruchos, Porto Xavier, Inhacorá, Pirapó, Porto Mauá, Roque Gonzáles e Três de Maio.

Como ajudar
A Defesa Civil Estadual está recebendo doações para os atingidos pelas chuvas. Os itens são repassados na medida em que os moradores comprovam situação de vulnerabilidade social e comprovam que sofreram danos com as chuvas.

“Precisamos de agasalhos, calçados, alimentos não perecíveis e colchões. Mas não são itens de descarte. Os moradores atingidos precisam de doações em bom estado”, pede o sub-chefe da Defesa Civil do RS, Jarbas Ávila.

Cada município tem o seu modelo de central de doações. Quem quiser ajudar pode ligar para o número 199 e se informar sobre qual o local de doação mais próximo.