Inter é superado pelo The Strongest em La Paz

0
753

O Colorado teve uma missão das mais espinhosas na estreia pela Copa Libertadores da América. Na altitude de La Paz, na Bolívia, a mais de 3,6 mil metros do nível do mar, o Internacional encarou o The Strongest, na noite desta terça-feira (17/02). Apesar de lutar bravamente e demonstrar poder de reação durante a partida, o time gaúcho sentiu os efeitos da altitude de acabou derrotado por 3 a 1. Os gols foram marcados por Chumacero (2) e Ramallo, para os bolivianos, e D’Alessandro, de pênalti, para o Inter.

A equipe colorada volta a campo no próximo domingo (22/02), às 16h, para enfrentar o São Paulo-RG, pelo Campeonato Gaúcho. Três dias depois, o Inter volta sua atenções para a principal competição continental e recebe o Universidad de Chile-CHI no Estádio Beira-Rio, pela segunda rodada do torneio.

Início complicado

Ciente das condições desfavoráveis e do alto grau de dificuldade que indicava a partida, o Inter entrou em campo com o objetivo de povoar a zona central e tentar reter a posse de bola. Escalada no esquema 4-1-4-1, a equipe tinha Nilton à frente da defesa, formada por Léo, Ernando, Alan Costa e Fabrício. Aránguiz e Anderson foram alinhados mais adiante. O meio de campo era fechado com D’Alessandro, pela direita, e Eduardo Sasha, pela esquerda, controlando a subida dos laterais adversários. Nilmar foi escalado no comando do ataque, centralizado mas com liberdade para sair pelos lados.

No começo do jogo, a estratégia adotada parecia dar certo e o primeiro lance de perigo foi favorável ao time gaúcho. Logo aos 4 minutos, Nilmar, ao seu estilo, partiu em velocidade para cima da defesa boliviana. O camisa 7 deixou dois marcadores para trás e ficou cara a cara com o goleiro Daniel Vaca, que impediu com a ponta dos pés o gol colorado. Entretanto, o Strongest não desperdiçou e abriu o placar na primeira chegada. Depois de boa trama armada aos 10min, Cristaldo finalizou e Alisson salvou, mas Chumacero aproveitou rebote e empurrou para o gol. Embalado, o time boliviano chegou com força novamente quatro minutos depois. Rodrigo Ramallo recebeu passe dentro da área e deslocou Alisson para ampliar.

O time colorado visivelmente sentia os efeitos da altitude e tinha dificuldades para impôr seu ritmo na partida. Procurando mais movimentação, o técnico Diego Aguirre resolveu mexer na equipe. O atacante Vitinho entrou no lugar de Anderson, que acabou sentindo as condições do jogo. Ao sair de campo, o meia precisou ser atendido pelo médico Luis Crescente e teve sua respiração auxiliada por um tubo de oxigênio.

Novo fôlego

A altitude de mais de 3,6 mil metros castigou o time colorado na etapa inicial. Durante o intervalo, o restante da equipe também precisou utilizar o aparelho de oxigênio. Mas a pausa surtiu efeito e o Inter voltou com gás renovado para o segundo tempo. O início foi o melhor possível. Com 2min de bola rolando, Nilton aparou escanteio cobrado pela direita e o zagueiro do Strongest abriu os braços, tocando na bola com uma das mãos: pênalti. D’Alessandro foi o encarregado da cobrança e não decepcionou, marcando o primeiro gol colorado na Copa Libertadores de 2015. A bola acertou o ângulo direito, sem chances para Vaca.

Com o gol logo no princípio, o Inter se animou e começou a criar chances em sequência. Aos 7min, Nilmar arrancou em velocidade pela direita e cruzou para Fabrício, que aparecia de surpresa dentro da área. Apertado pela marcação, o camisa 6 não conseguiu concluir. Três minutos depois, D’Alessandro cobrou escanteio e Alan Costa subiu para o cabeceio, que parou em grande defesa de Vaca.

Os bolivianos reagiram e responderam em contragolpe armado por Escobar. O camisa 10 cruzou para Ramallo, que acertou belo voleio, mas ao lado da meta gaúcha. Aos 23min, Vitinho quase empatou. Sasha fez o cruzamento e o camisa 21 se antecipou à defesa. A bola explodiu na trave, mas teimou em não entrar. Aos poucos, a equipe passou a sentir novamente os efeitos da partida e o Strongest voltou a levar perigo. Aos 40min, o time da casa fez o terceiro e resolveu a partida a seu favor. Pablo Escobar deu belo passe para Chumacero, que aparecia por trás da defesa, marcar o segundo na sua conta pessoal e definir o placar final.

Fonte: www.internacional.com.br