Basta o inverno chegar, com o tempo seco e frio que ela volta a incomodar, seja pelos pontinhos brancos que aparecem nas roupas escuras ou pela coceira desagradável na cabeça. A caspa é resultado de uma inflamação no couro cabeludo que ocasiona a descamação acentuada e atinge homens e mulheres, independentemente da idade. Mas, afinal de contas, o que provoca a caspa?

O problema pode ter diversas causas. O contato com calor excessivo, como em banhos muito quentes ou secadores de cabelo, é um dos motivos, já que a alta temperatura estimula as glândulas sebáceas, produzindo mais oleosidade favorável ao desenvolvimento de fungos.

– A elevação do estresse somada a alterações hormonais ou mesmo a suscetibilidade genética também são associadas aos fatores causadores da doença. Casos muito severos podem estar relacionados com imunodeficiências – explica Daniel Gontijo, dermatologista e consultor da Netfarma.

A caspa não tem cura, mas pode ser combatida com hábitos cotidianos e acompanhamento médico. Vale lembrar que dermatite seborréica (caspa) não é contagiosa. Então, não há necessidade de separar pentes e escovas.

Abaixo, o dermatologista listou alguns cuidados indispensáveis para que a caspa não seja um problema para você nesse inverno:

1. Atenção na hora do banho
Lavar o cabelo é muito importante para retirar o excesso de oleosidade acumulado no couro cabeludo, mas fique atento. Evite água quente. Opte pelo banho morno ou frio. Essa escolha melhorará o quadro de caspa.

2. Seque o cabelo corretamente
O couro cabeludo úmido por muito tempo é propício ao aparecimento de fungos, por isso, seque os fios após o banho. Ao usar o secador, prefira a temperatura morna ou fria. Lembre-se de que o calor pode agravar o problema.

3. Escolha os produtos certos
Lançar mão dos shampoos anticaspa é outra orientação importante. Estes produtos específicos vão ajudar a retirar os resíduos e deixar o couro cabeludo mais saudável.

4. Evite coçar
As regiões atingidas podem vir a coçar. Lembre-se de nunca passar as unhas, que podem ferir o couro cabeludo. Se o incômodo for muito grande massageie a região com a ponta dos dedos, fazendo movimentos suaves e circulares.

5. Chapéu com moderação
O uso em demasia de chapéus, boinas e toucas são proibidos. Quanto mais abafado ficar o couro cabeludo, melhores as condições para desenvolvimento de fungos na região afetada. Tente usá-los apenas em dias em que a exposição solar for grande, já que eles ajudam a barrar os raios solares, e evite-os em ambientes fechados ou à noite.

6. Mantenha uma dieta balanceada
A dica é fugir das gorduras, como alimentos fritos ou embutidos. “Evitar laticínios e alimentos alergênicos, como amendoim, também é uma orientação importante. Já aqueles com propriedades anti-inflamatória, como atum, sementes de chia e gergelim, nozes, laranja ou limão são permitidos. E não esqueça de tomar muita água”, indica o dermatologista.

7. Fuja do estresse
O estresse pode afetar o funcionamento das glândulas sebáceas, provocando mais oleosidade para o seu couro cabeludo. Portanto, tente pegar leve se quiser se ver livre desse problema.

8. Consulte seu médico
As crises podem ocorrer em diferentes intensidades. “Em quadros mais complicados, medicamentos de uso tópico ou oral podem ser recomendados. Por isso, fique atento aos sintomas e se persistirem procure um dermatologista”, alerta o especialista.

Anúncio Patrocinado