Uma reunião da Associação dos Municípios do Alto Uruguai (Amau), que acontece na tarde desta segunda-feira (6), no campus da URI, em Erechim, objetiva a apresentação da proposta desenvolvida pela Prefeitura de Erechim para amenizar a crise do Hospital Santa Terezinha, cujos municípios da região serão intimados a contribuir aos moldes do Município de Erechim.

O prefeito de Erechim, Paulo Polis, apresentou a proposta na última sexta-feira para a comunidade local. Segundo ele, o Hospital Municipal Santa Terezinha, que atravessa uma grave crise, vai passar por um processo de reengenharia para contenção de despesas e replanejamento de custos, cujos contratos de fornecedores serão revistos, havendo ainda a suspensão da contratação de oito cargos de confiança e redução de 15% dos contratos médicos.

Polis destacou que a Prefeitura repassará ao Hospital, como complementação para serviços hospitalares, até o final deste ano, R$ 2 milhões, sendo R$ 1 milhão agora em julho e o restante durante os outros cinco meses.

Deste montante, R$ 1 milhão seria proveniente do Orçamento Participativo e o outro milhão, dividido entre recursos da Câmara de Vereadores, no valor de R$ 500 mil, e o restante, na redução dos contratos de publicidade, diárias e pela economia gerada pelo turno único, que vai permanecer até dezembro.

Na reunião com representantes da Amau desta segunda-feira, os mandatários das prefeituras da região serão convocados a bancar as contrapartidas, através de complementações de AIHs e diferenças de despesas de seus munícipes, cujos municípios serão intimados a arcar.

Segundo o prefeito, com estas medidas, o Santa Terezinha deixa de se limitar exclusivamente aos repasses do SUS e passa a ter outras fontes de arrecadação que possam também dar sustentabilidade nas despesas da Fundação Hospitalar.

A reunião deverá se estender durante toda a tarde.

Anúncio Patrocinado