Não é por falta de dentistas que a saúde bucal do brasileiro vai mal – e não é de hoje! O Brasil é o país que mais tem dentistas no mundo: 260 mil. Apesar disso, 55,6% da população não têm o hábito de consultar o odontologista anualmente, menos ainda se considerada a periodicidade ideal, a cada seis meses.

Principais erros e como evitá-los
Cerdas rígidas – Um engano comum é imaginar que as escovas com cerdas duras serão mais capazes de evitar as cáries. Porém, essa rigidez exagerada provoca o desgaste do esmalte dental e a retração gengival. Para obter o máximo de eficácia sem machucar, deve-se optar por escovas muito macias e com grande quantidade de cerdas.

Força exagerada – A escovação deve ser realizada sem o emprego de força. O que realmente importa é a realização de uma técnica correta e a utilização de uma escova de boa qualidade. Os odontologistas recomendam optar por escovas com mais de 5 mil cerdas, do tipo ultramacia.

Escovas desgastadas – Escovas velhas fazem com que, de uma forma inconsciente, os usuários aumentem a força e pressionem o cabo da escova durante a higienização. O ideal é que a escova dental seja trocada no máximo a cada dois meses.

Frequência excessiva – O hábito de escovar os dentes é fundamental, mas pode se transformar em um fator prejudicial se for realizado de forma abusiva. Neste caso, o importante é a qualidade e não a quantidade. Uma higiene bucal bem feita demora cerca de dez minutos. O tempo parece excessivo, mas não se trata apenas da escovação, pois não dá para esquecer o uso do fio dental.

Grande quantidade de creme dental – O recomendado é utilizar pouca quantidade de pasta, pois o que promove a desorganização da chamada placa bacteriana é a escova e não o creme dental. O creme dental aplicado sobre as cerdas da escova deve ser correspondente ao tamanho de uma ervilha e inserido no meio das cerdas para evitar que seja engolido facilmente.

Pasta de dentes abrasiva – O creme dental abrasivo e que faz muita espuma deve ser evitado. Assim como as escovas duras, este tipo de pasta provoca a hipersensibilidade dental e, posteriormente, a necessidade do consumo de cremes dentais especiais.

Bochechos de água – O pH ácido, muitas vezes encontrado na água utilizada para o bochecho, pode atrapalhar o trabalho da saliva. O processo conhecido como tamponamento salivar é uma proteção natural do organismo em que a saliva trabalha na manutenção de um pH oral neutro na boca. Este processo demora de 30 minutos a duas horas para ocorrer. Além disso, não se pode deixar transformar essa ação em um hábito. Se não há tempo, é melhor utilizar só o fio dental.

Enxaguantes de forma exagerada – A sensação de hálito puro e refrescante é muito boa, mas uma boa higienização é a forma efetiva de se alcançar a saúde da boca. Os enxaguantes devem ser utilizados com orientação profissional. Produtos à base de clorexidina, apesar de muito eficientes, podem provocar a pigmentação dos dentes com o uso contínuo, por exemplo.

Anúncio Patrocinado