O ministério da Saúde declarou Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional devido ao aumento de novos casos de microcefalia no Nordeste. Até agora, foram notificados 141 novos casos suspeitos em Pernambuco. Na Paraíba, foram 15 novas suspeitas da anomalia e, no Rio Grande do Norte, 21 bebês nasceram com microcefalia, e 11 apresentam suspeita. Em Sergipe, o número foi de 20 novos casos. A microcefalia é uma anomalia que se caracteriza por um crânio menor do que o tamanho médio e geralmente o motivo é a falha no desenvolvimento do cérebro. O problema pode estar relacionado a síndromes genéticas ou a outros fatores, como abuso de álcool e drogas durante a gravidez ou infecção da gestante por rubéola ou catapora. O ministro da Saúde, Marcelo Castro, explica que a microcefalia não é uma doença nova, mas que agora teve um aumento no número de casos.

“A microcefalia prejudica o desenvolvimento do bebê, e as sequelas são graves e avaliadas caso a caso com o acompanhamento da criança. A doença pode levar ao óbito. Não se trata de uma doença nova, o que nos chama a atenção agora é o aumento do número de casos suspeitos. Mas é uma doença complexa que tem uma série de causas possíveis. Em cada caso notificado, todas as possibilidades precisam e estão sendo analisadas.”

O ministro Marcelo Castro afirma que o ministério já enviou reforços para investigar a origem do surto.

“O ministério da saúde, articulando estados e municípios, irá centrar todos os esforços necessários para investigar, monitorar e reforçar as equipes locais envolvidas, em resposta a essa emergência.”

De acordo com o ministério da Saúde, o Centro de Operações em Emergência em Saúde, o COES, em Brasília, já foi acionado e vai trabalhar com uma equipe treinada para situações desse tipo. O ministério orienta os profissionais locais que mantenham as condições de pré-natal e, caso hajam novos casos, que notifiquem imediatamente ao ministério.

Anúncio Patrocinado