A semana santa é o grande retiro espiritual em que a Igreja celebra os grandes mistérios da salvação: a instituição da eucaristia, a paixão, morte e ressurreição de Jesus Cristo. É por isso que essa semana é chamada de ‘santa’. A celebração da semana santa culmina no dia de Páscoa, que marca o triunfo da vida sobre a morte. Jesus Ressuscitou!

Domingo de ramos
A semana santa tem início com a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém. Nesse dia, a eucaristia é precedida da “bênção e procissão dos ramos”, mediante a qual relembramos a alegria e a festa que o povo simples organizou quando Jesus entrou em Jerusalém, reconhecendo nele o Messias esperado. A comunidade cristã acolhe o Cristo, o “Bendito que vem em nome do Senhor”, Rei em forma de Servo, Senhor da Vida e da História.

Por isso, nesse dia, os fiéis carregam ramos, recordando o acontecimento. Os ramos, conduzidos na procissão são símbolos de vida e de vitória, alegre afirmação de nossa fé e esperança numa nova vida, que teve início com a morte e triunfo do Senhor. Ao sair da igreja, levaremos para nossas famílias e ambientes de trabalho uma alegria e uma esperança – isto é, a certeza de que a “libertação” operada por Cristo será progressivamente uma realidade até que ele seja o único Senhor de nossas vidas e que, em nosso relacionamento, se reflitam as notas características do Reino: a fraternidade, a justiça, o amor e a paz. Os ramos em nossas casas são sinais do nosso compromisso com este Reino.

Quinta-feira santa
Na quinta-feira santa celebra-se a instituição da Eucaristia e do Sacerdócio ministerial. A Eucaristia é o sacramento do Corpo e Sangue de Cristo, que se oferece como alimento espiritual. Nessa missa realiza-se a cerimônia do lava-pés, em que o sacerdote recorda o gesto de Cristo que lavou os pés dos seus apóstolos. Esse gesto procura transmitir a mensagem de que o cristão deve ser humilde e servidor. Além disso, recorda-se o mandamento novo que Jesus deixou: “Eu vos dou um novo mandamento, que vos ameis uns aos outros assim como Eu vos amei.” Comungar o corpo e sangue de Cristo na Eucaristia implica a vivência do amor fraterno e do serviço.

Sexta-feira santa
Na sexta-feira santa, a Igreja contempla o mistério do grande amor de Deus pelos homens. Ela se recolhe no silêncio, na oração e na escuta da palavra divina, procurando entender o significado profundo da morte do Senhor. Neste dia não há missa. À tarde acontece a Celebração da Paixão e Morte de Jesus, com a proclamação da Palavra, a oração universal, a adoração de Cristo crucificado na cruz e a distribuição da Sagrada Comunhão.

Nesse dia a Igreja pede o sacrifício do jejum e da abstinência de carne, como ato de homenagem e gratidão a Cristo, para ajudar-nos a viver mais intensamente esse mistério, e como gesto de solidariedade com tantos irmãos que não têm o necessário para viver. Mas a semana santa não se encerra com a sexta-feira. Ela culmina na celebração da Vigília Pascal no sábado à noite e domingo da ressurreição, quando se celebra a vitória de Jesus. Só há sentido em celebrar a cruz quando se vive a certeza da ressurreição.

Vigília pascal
O sábado santo é dia de “luto”, de silêncio e de oração. A Igreja permanece junto ao sepulcro, meditando no mistério da morte do Senhor e na expectativa de sua ressurreição. Durante o dia não há missa, batizado, casamento, nenhuma celebração. À noite, a Igreja celebra a solene Vigília Pascal, a “mãe de todas as vigílias”, revivendo a ressurreição de Cristo. A cerimônia é carregada de ricos simbolismos que lembram a ação de Deus, a luz e a vida nova que brotam da ressurreição de Cristo.
A vigília pascal dessa noite é o momento-ápice e ponto central de toda a semana santa. Participar dessa cerimônia significa encontrar o sentido pleno de tudo o que vivemos. É ressuscitar com Cristo, participar de seu triunfo sobre a morte e o mal, renascendo para uma vida nova. Por meio da luz do Ressuscitado que receberemos essa noite, conseguiremos iluminar nossas famílias, o ambiente de trabalho e tantas coisas obscuras que existem na sociedade atual.

Domingo de Páscoa – Ressurreição do Senhor
O domingo de Páscoa é o fundamento da fé cristã e motivo de esperança na ressurreição de cada ser humano. A celebração litúrgica desse dia é prolongamento da celebração da vigília pascal, na qual se celebra de modo eminente a vitória de Cristo sobre a morte.

Toda a liturgia do dia da Páscoa está centrada na pessoa de Jesus Cristo Ressuscitado. Estamos alegres, pois Jesus ressuscitou e com Ele, durante os cinquenta dias da Páscoa, testemunhamos a ressurreição e somos convidados a participar ativamente da vida da comunidade. O Senhor ressuscitou! Aleluia!

Pe. Rudinei Lolatto
Pároco da Paróquia São Tiago de Aratiba

Anúncio Patrocinado