A Organização Mundial da Saúde, a OMS, já considera todo o território chinês área de transmissão ativa do novo coronavírus. Até o momento, são quase três mil casos confirmados na China. Em coletiva de imprensa, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, reforçou que o Brasil está vigilante sobre o comportamento do vírus e se prepara para prestar a melhor assistência necessária para a população.

“O nosso sistema de saúde já lidou com a SARS, já lidou com H1 N1, já lidamos com outro em 2014. Não é um sistema que está sendo preparado agora, nós temos os planos de contingência e o que nós vamos fazer é atualizar, colocar eles todos nos seus devidos patamares, já que todo o protocolo é definido e já é de conhecimento de todas as equipes dos estados e municípios”.

O Brasil segue a orientação da OMS e o protocolo para síndrome aguda respiratória que define que pessoas que vieram da China, nos últimos 14 dias e que apresentem febre e sintomas respiratórios podem ser consideradas casos suspeitos e, portanto, serão monitorados. Outra orientação do Ministério da Saúde é que as pessoas viagem para a China apenas em casos de extrema necessidade, como explica o ministro da Saúde, Luiz Herique Mandetta.

“A Organização Mundial de Saúde passa a tratar a China como um todo, então muda a orientação que nós temos, da própria Organização Mundial de Saúde, onde nós considerávamos casos suspeitos aqueles procedentes daquela cidade aonde estava o epicentro da situação. Agora a gente passa a tratar todo e qualquer eventual caso suspeito aqueles procedentes da China”.

Nesta terça-feira (28), o Brasil apresentou, no total, três casos suspeitos da doença. Eles estão localizados em Porto Alegre (RS), Curitiba (PR) e Belo Horizonte (MG). Os pacientes se enquadraram na atual definição de caso suspeito para o novo coronavirus, estabelecido pela OMS.

Anúncio Patrocinado