O governador Eduardo Leite projetou, nesta quinta-feira (25), que o retorno das aulas presenciais nas escolas deve ocorrer apenas em agosto. Ao estimar a data, o governador destacou que o mês de julho deve vir acompanhado de aumento no número de casos de coronavírus e demais doenças respiratórias.

— Deverá provavelmente acontecer a partir de agosto, tendo em vista que vamos entrar em julho, mês que historicamente temos mais demanda de doenças respiratórias, também com o aumento de casos de coronavírus, o que sugere maior cautela. Que possamos nos organizar para um retorno presencial por etapas, a partir de agosto, essa é a nossa projeção — disse Leite, durante entrevista coletiva, pela internet.

Até então, a perspectiva do governo de retorno era durante o mês de julho. De acordo com Leite, essa possibilidade é agora remota.

O governo também vai compartilhar a decisão sobre quais os grupos de alunos que devem voltar primeiro às salas de aula. Por meio de uma consulta popular virtual, o governo vai buscar a opinião de cerca de 3 mil entidades ligadas à educação, incluindo secretarias municipais e sindicatos e associações envolvidos com o tema.

– O que a gente vai querer saber é de que forma identificam a melhor maneira do retorno. Se começando pela educação infantil, pelo ensino médio, ou por outra etapa, para que a gente possa, ouvindo, tomar a melhor decisão – disse Leite.

O governo mantém a liberação, já em vigor, para aulas presenciais em cursos livres (como idiomas e artes) e das disciplinas práticas em cursos técnicos, graduação e pós-graduação.

Anúncio Patrocinado