Três dias após colocar 75% do território gaúcho sob bandeira vermelha, o governo do Estado aceitou pedidos de reconsideração e reduziu o status de alerta em cinco das 15 regiões classificadas com risco severo na sexta-feira (10). Dessa forma, ficam sob bandeira laranja Santo Ângelo, Cruz Alta, Santa Rosa, Erechim e Santa Cruz.

Em contrapartida, Porto Alegre, Canoas, Capão da Canoa, Novo Hamburgo, Pelotas, Passo Fundo, Taquara, Cachoeira do Sul, Caxias do Sul e Palmeira das Missões seguem com a atividade econômica restrita para tentar diminuir a circulação de pessoas. As medidas de isolamento previstas na bandeira vermelha entram em vigor nesta terça-feira (14).

Na transmissão pelas redes sociais em que divulgou o mapa definitivo do distanciamento controlado, o governador Eduardo Leite anunciou uma mudança nas regras do comércio sob bandeira vermelha. Segundo Leite, mesmo as atividades consideradas não essenciais poderão, a partir desta terça-feira, operar pelo sistema pegue e leve e drive thru. Na semana anterior, o governador já havia liberado o comércio eletrônico para essas empresas.

A alegação do recurso encaminhado ao Estado pelo prefeito de Erechim, Luiz Francisco Schmidt, estava fundamentada no fato de que  mesmo sabendo que aumentaram as internações clínicas, outros números serviriam de base de defesa como: casos recuperados, taxa de recuperação, casos ativos e poucos óbitos. “Retornar a bandeira laranja são méritos das equipes de Saúde”, declarou Schmidt depois do resultado favorável a região.

Argumentação semelhante usada pela AMAU, que ainda registra municípios sem casos de coronavirus. O Recurso foi acatado pelo Comitê de Crise do RS. Na avaliação do governo gaúcho, mesmo na bandeira vermelha, a região conseguiu manter controle no avanço do novo coronavírus. “Tivemos uma redução na gravidade dos dados por isso a região de Erechim pode permanecer na bandeira laranja, mas é preciso atenção ao aumento dos casos”, declara Eduardo Leite.

Anúncio Patrocinado