Para a população de Aratiba, muitos serviços foram limitados e temporariamente cancelados. Isso afeta, principalmente, pacientes com cirurgias e consultas agendadas pelo sistema de regulação, SISREG (sistema on-line, disponibilizado pelo Datasus para gerenciamento e operação das centrais de regulação).

A secretária de Saúde, Mengele Wermeier, explica que o Sistema Nacional de Regulação do Ministério da Saúde gerencia desde a rede básica à internação hospitalar, utilização dos recursos, controle e humanização dos serviços prestados. “Quando estes serviços são cancelados, como é o caso agora, a Secretaria da Saúde não tem ingerência sobre os agendamentos”, explica.

Além disso, com a adoção dos protocolos de prevenção e combate ao Coronavírus, a Secretaria Estadual da Saúde e definiu a ativação do Centro de Operações de Emergências, ainda em janeiro e a Coordenadoria Regional de Saúde, em março, criou o Centro de Emergências regional e o de Aratiba. Com isso, mantiveram-se em atendimento apenas setores e demandas de encaminhamentos de urgências e emergências, casos que clinicamente necessitam de maior agilidade e de pacientes oncológicos, que fazem hemodiálise e tenham comorbidades. “Essa realidade de limitação de consultas e de impossibilidade de alguns serviços e atendimentos se dá em todas as regiões e frente aos critérios que as Coordenadorias e Secretarias de Saúde seguem frente à Covid-19”, detalha a Secretária.

Na região, os municípios enfrentam a redução de atendimentos pela Fundação Hospitalar Santa Terezinha, de Erechim, e pelos médicos especialistas que atendem pelo SUS.

Segundo a Secretária de Saúde de Aratiba “é importante a compreensão das pessoas, para que neste momento possamos ir em busca destes atendimentos quando a necessidade e urgência for requisitada pelos médicos. Estamos conscientes de que não há descaso e má vontade de nenhum dos órgãos que cuidam da nossa saúde. Há sim, um cuidado redobrado e exaustivo para que a garantia à vida esteja assegurada”.

Anúncio Patrocinado