O governador Eduardo Leite divulgou, nesta quarta-feira, os resultados da sétima etapa da pesquisa realizada pela Universidade Federal de Pelotas (Ufpel) sobre a prevalência do coronavírus no território gaúcho. Segundo os dados, estima-se que 139.055 pessoas (de 0,92 a 1,59% da população, pela margem de erro) tenham anticorpos no Rio Grande do Sul, o que corresponde a um caso de infecção pela Covid-19 para cada 82 habitantes – na sexta etapa da pesquisa, era de um caso para cada 104 habitantes. O resultado é equivalente a 1,22% da população gaúcha, ultrapassando pela primeira vez o percentual de 1%.

De acordo com o último boletim da Secretaria Estadual da Saúde, divulgado nessa quarta-feira, o Rio Grande do Sul já soma 2.881 mortes pela doença e 103.891 diagnósticos positivos desde o início da pandemia.

Os dados da pesquisa foram apresentados pelo reitor da UFPel, Pedro Hallal. Segundo ele, o número de testes realizado no Rio Grande do Sul têm sido feito nas pessoas certas. “Não importa testar em quantidade, mas em qualidade. É importante que a testagem seja na mosca, ou seja, se teste as pessoas suspeitas, as pessoas que tiveram contato com alguém infectado e etc. Na testagem de qualidade, o Estado está se saindo muito melhor que o resto do Brasil. Em termos de precisão, nós estamos testando pessoas que deveriam ser testadas. O resultado tem sido certeiro”, destacou durante a transmissão ao vivo nas redes sociais.

Para a análise, foram feitos 4,5 mil testes rápidos entre os dias 14 a 16 de agosto, em nove cidades – Canoas, Caxias do Sul, Ijuí, Passo Fundo, Pelotas, Porto Alegre, Santa Maria e Uruguaiana –, onde foram descobertos 55 novos casos positivos.

Entre os positivos, a maioria ocorreu em Canoas e Porto Alegre, com 12 e 11 casos, respectivamente, seguidos por Pelotas, onde oito pessoas foram diagnosticadas, e Caxias do Sul e Passo Fundo tiveram seis positivados, em cada cidade. Já em Santa Maria e Ijuí, foram quatro positivos em cada município, assim como Uruguaiana e Santa Cruz do Sul, com dois casos positivos para a doença.

O estudo mostrou que um terço da população, o que representa 32,6%, sai de casa diariamente, 54,6% saem para atividades essenciais, como compra de comida e remédios, e 12,8% se mantém sempre em casa.

Os coordenadores reforam a necessidade de ampliar a testagem por RT-PCR e realizar a busca ativa de contatos das pssoas qe tiveram resultado do teste positivo, para frear a disseminação do contágio. A oitava etapa da pesquisa deve ocorrer de 4 a 6 de setembro.

PNAD Covid-19

Sobre a pesquisa do IBGE, o governador Eduardo Leite se manifestou nesta quinta-feira, durante transmissão virtual, e disse que o percentual de testagem do Rio Grande do Sul que foi registrado como 4,5% é semelhante aos resultados de estados como Paraná, Minas Gerais e Santa Catarina. “São estados que têm as menores taxas de incidência. Então pelo protocolo para testagem, que também tem relação com sintomas, a testagem menor, sozinha, não quer dizer que o Estado não esteja fazendo os testes suficientes”, assinalou.

Segundo ele, o governo do Estado está buscando ampliar a realização de testes em todo o território gaúcho mas, como demonstrou resultado da pesquisa Epicovid19-RS, da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), a subnotificação está diminuindo em todo o RS.

Anúncio Patrocinado