Os investimentos da RGE no uso de inteligência, tecnologia e canais de denúncias resultaram em uma maior eficiência de suas ações de combate a fraudes e furtos de energia, os famosos “gatos”. Tanto que, no primeiro semestre deste ano, somente na Região do Alto Uruguai, foram efetuadas 2221 inspeções em 17 cidades. Deste total, a empresa regularizou 173 ligações, das quais 40 eram fraudes. A energia recuperada nessas ações foi de 415 MWh, quantidade suficiente para abastecer 232 residências por um ano, levando em consideração um consumo médio de 150 KWh ao mês para cada residência.

As cidades com maior número de irregularidades foram Erechim, Getúlio Vargas e Estação. Erechim teve 101 irregularidades encontradas, sendo 29 fraudes, em 1499 inspeções realizadas. Em Getúlio Vargas foram realizadas 182 inspeções, que resultaram em 16 irregularidades. Já em Estação, as equipes da RGE efetuaram 244 inspeções, regularizando 15 ligações. A energia recuperada somente nessas três cidades seria o suficiente para abastecer 176 residências por um ano, levando em consideração o mesmo consumo mensal de 150 KWh.

No total, em toda sua área de concessão, a companhia realizou 70.557 inspeções e conseguiu regularizar 10.228 ligações, das quais 4.608 eram fraudes. A energia recuperada, cerca de 24,5 mil MWh, abasteceria 13.627 residências por um ano. Para se ter uma ideia, em 2019, 70 pessoas foram presas em flagrante em operações realizadas pela RGE em parceria com a Polícia Civil e a Brigada Militar.

“A RGE realiza constantemente importantes ações de combate às fraudes e furtos em conjunto com os órgãos públicos e autoridades policiais, que têm auxiliado significativamente o trabalho. A empresa também investiu em novas tecnologias e treinamento das equipes, aprimorando seus processos de monitoramento e análise”, afirma Danillo Ferreira Lelis, Gerente de Serviços de Recuperação de Energia da RGE.

Quando identificada uma fraude de energia, a distribuidora também cobra os valores retroativos referentes ao período em que ocorreu o furto. “Estamos continuamente melhorando nossos modelos de detecção de fraudes, e isso, somado a apuração de algumas denúncias, faz com que possamos inibir esses furtos, que além de serem crime, podem prejudicar uma região trazendo instabilidade na energia e riscos à segurança da população”, ressalta Lelis.

Entre os municípios com maior recuperação de energia da área de concessão da RGE, Gravataí registrou 1.735 MWh, ficando em primeiro lugar. Caxias do Sul ocupa a segunda posição com 1.728 MWh. Canoas é a terceira com 1.675 MWh, enquanto Sapucaia do Sul, com 1.630 MWh, seguida por Novo Hamburgo, com 1.234 MWh, fecham o ranking.

Eficiência – O investimento em inteligência artificial, acoplado a novos sistemas com geração de alarmes para direcionamento de inspeções, resultam em maior assertividade do trabalho desenvolvido pela Diretoria Comercial do Grupo CPFL em seus processos de monitoramento e análise. Deste modo, a companhia consegue preventivamente identificar possíveis variações no consumo de energia que indiquem perdas comerciais. Além dos investimentos em processos, o grupo também tem trabalhado em conjunto com os órgãos públicos e as autoridades policiais para coibir a prática de fraudes e furtos.

Essas ações, aliadas aos diversos projetos de blindagem de rede e de medição implementados pela companhia, como o projeto das Caixas Blindadas e atuação em clientes clandestinos, permitem diminuir a necessidade de inspeções in loco. As tecnologias de monitoramento contínuo e à distância permitem que a distribuidora aumente a produtividade das equipes, intensifique suas iniciativas contra o crime sem a necessidade de deslocar os técnicos e evite a reincidência de furtos.

Crime – Fraudes e furtos de energia são crimes previstos no Código Penal com penas que podem chegar a até quatro anos de prisão. Além disso, a pessoa que for flagrada cometendo a irregularidade terá cobrados os valores retroativos referentes ao período em que deixou de pagar pelo fornecimento.

As irregularidades também podem deixar a conta de luz mais cara para todos os consumidores, já que a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) reconhece a ação como uma “perda comercial”, e este valor é revertido à empresa. Outra consequência das fraudes e furtos é a piora na qualidade do serviço de distribuição de energia, uma vez que as ligações clandestinas sobrecarregam as redes elétricas e também, o risco à população, pois os mesmos podem causar choques, incêndios e acidentes graves. A CPFL trabalha o tema de conscientização dos perigos das ligações clandestinas por meio da sua campanha Guardião da Vida (saiba mais em www.guardiaodavida.com.br).

Clientes da RGE podem contribuir de forma sigilosa, para o combate às irregularidades por meio dos canais disponibilizados pela concessionária. Denúncias podem ser realizadas pelo aplicativo “CPFL Energia”, disponível para todas as plataformas de dispositivos móveis, pelo site www.rge-rs.com.br/fraude, ou pelo e-mail denunciafraude@cpfl.com.br.

Anúncio Patrocinado