O mapa preliminar do modelo de distanciamento controlado do Rio Grande do Sul apresenta cinco regiões em bandeira vermelha. O risco alto para coronavírus no Estado está concentrado nas regiões Metropolitana e nas Missões. De acordo com o governo do RS, esse é o menor número de locais classificados nesta cor desde o dia 20 de junho (quando o mapa preliminar daquela semana foi divulgado).

Assim, estão sob a cor vermelha Porto Alegre, Novo Hamburgo, Santo Ângelo, Cruz Alta e Guaíba— sendo esta última a única que não atua sob cogestão até o momento. As regiões representam 77 municípios (do total de 497 no Estado) e somam 4 milhões de habitantes, o que corresponde a 35,4% da população gaúcha (de um total de 11,3 milhões).

O mapa preliminar foi divulgado pelo Estado na tarde desta sexta-feira (18). O cenário definitivo, após análise de possíveis recursos por parte de associações e municípios, será anunciado na segunda-feira (21).

Nesta sexta, a maior parte do território gaúcho ficou em cor laranja: são 16 regiões classificadas com risco médio para a doença. Nenhuma aparece em risco baixo (bandeira amarela), ou altíssimo (preta), cor não registrada até hoje.  A última vez em que isso ocorreu foi na oitava rodada, em 26 de junho.

Estão sob a cor laranja as regiões de Capão da Canoa, Taquara, Canoas, Ijuí, Santa Rosa, Pelotas, Caxias do Sul, Cachoeira do Sul, Santa Cruz do Sul, Lajeado, Palmeira das Missões, Erechim e Passo Fundo — todas essas sob cogestão. Além de Uruguaiana, Bagé e Santa Maria, que não atuam em gestão compartilhada.

De acordo com o Executivo, houve avanços nos indicadores de propagação da doença e de capacidade de atendimento na última semana. Entre os destaques, estão a queda de 3% em internações por covid-19 tanto nos leitos clínicos (de 803 para 778) quanto nos de UTI (713 para 693).

O Executivo destacou o elevado crescimento nas hospitalizações por covid-19 em 10 regiões: Cachoeira do Sul (133,3%), Cruz Alta (83,3%), Uruguaiana (50%), Ijuí (41,7%), Novo Hamburgo (40,4%), Lajeado (31,8%), Santa Rosa (23,1%), Santo Ângelo (22,9%), Pelotas (21,6%) e Taquara (21,4%). Esses cenários, segundo o governo, são monitorados de perto pela gestão estadual.

O número de óbitos pela doença apresentou leve queda, sendo considerado estável, entre as duas últimas quintas-feiras (de 340 para 338). O número de casos ativos aumentou 7% (de 10.066 para 10.793).

As regiões que não concordarem com a classificação preliminar, podem, além de apresentar pedidos de cogestão, enviar recursos ao Estado, para análise, até as 6h deste domingo (20). O mapa definitivo será divulgado na segunda e valerá de terça-feira (22) até a outra segunda (28).

Anúncio Patrocinado