A retomada das aulas presenciais na rede estadual de ensino do Rio Grande do Sul ocorre a partir desta terça-feira (20) para os estudantes dos ensinos médio e técnico.

No dia 28 deste mês, retornarão às salas de aula os alunos dos anos finais do ensino fundamental. Em 12 de novembro, será a vez dos estudantes dos anos iniciais do ensino fundamental.

O calendário e os protocolos para evitar a propagação do coronavírus foram anunciados, na semana passada, pelo governador Eduardo Leite e pelos secretários da Educação, Faisal Karam, e da Saúde, Arita Bergmann.

As escolas são obrigadas a seguir a portaria conjunta 01/2020, de 8 de junho, elaborada pelas secretarias da Saúde e da Educação. O Estado também definiu regras para o transporte escolar, para os refeitórios e para as salas de aula, com distanciamento mínimo entre os alunos, uso de máscara e máximo de 50% de alunos em sala de aula.

EPIs

O governo do Estado informou que investiu R$ 270 milhões na compra de equipamentos de segurança e de proteção para garantir o retorno seguro às escolas. Desse montante, R$ 15,3 milhões foram destinados à compra de EPIs (equipamentos de proteção individual).

O retorno dos alunos às salas de aula não é obrigatório. Pais e responsáveis podem decidir se querem mandar seus filhos para as escolas. Inicialmente, será priorizado o retorno presencial para alunos com dificuldade de aprendizado ou de acesso ao conteúdo oferecido pela plataforma Google Sala de Aula.

O modelo de ensino permanecerá sendo híbrido. No entanto, professores e funcionários que não pertençam aos grupos de risco da Covid-19 são obrigados a retornar ao trabalho presencial.

As atividades presenciais só podem ocorrer em regiões que estejam em bandeira amarela ou pelo menos duas semanas em bandeira laranja no modelo de Distanciamento Controlado.

Na 15ªCRe são 101 escolas, destas 52 são de Ensino Médio. Segundo o assessor de comunicação da 15ª CRE, Adriel Ferreira, a programação na região segue todos os protocolos. “Estamos recebendo os EPIs fazendo acolhimento e organização pedagógica com as escolas atendendo aos protocolos sanitários. Para amanhã não temos nenhuma prevista”.

As datas para o retorno são particulares de cada escola, a partir do momento que estiver com sua estrutura organizada. O retorno também depende de fatores externos, como transporte escolar por exemplo.

Ainda segundo a assessoria 15ªCRE, as escolas vão prosseguir no ensino remoto e na organização de retorno para os que apresentaram necessidade a partir dos diagnósticos pedagógicos.

 

Anúncio Patrocinado