O presidente Jair Bolsonaro fala à imprensa no ministério da economia

O presidente Jair Bolsonaro afirmou, nesta quarta-feira (21), que a vacina contra a covid-19 que está sendo desenvolvida pela chinesa Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan, “não será comprada” pelo governo federal. A declaração, feita em rede social, ocorre um dia após o Ministério da Saúde anunciar a intenção de adquirir 46 milhões de doses do imunizante.

“Presidente, a China é uma ditadura, não compre essa vacina, por favor. Eu só tenho 17 anos e quero ter um futuro, mas sem interferência da Ditadura chinesa”, escreveu um usuário do Facebook, ao que o perfil do presidente respondeu: “NÃO SERÁ COMPRADA”, em caixa alta.

Segundo o portal Poder 360, o presidente também enviou uma mensagem a ministros em que afirma:

“Alerto que não compraremos vacina da China. Bem como meu governo não mantém diálogo com (o governador de São Paulo) João Doria sobre covid-19”.

O Palácio do Planalto e o Ministério da Saúde ainda não se manifestaram oficialmente sobre o assunto.

Anúncio de Pazuello

Na terça-feira (20), o Ministério da Saúde assinou um protocolo de intenções para compra de 46 milhões de doses da CoronaVac, a vacina chinesa contra a covid-19. O anúncio foi feito pelo ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, em reunião com os 27 governadores.

Assim, somando as três vacinas que o governo federal pretende adquirir (AstraZeneca, Covax e Butantan-Sinovac), haveria 186 milhões de doses para vacinação da população ainda no primeiro semestre de 2021. Segundo Pazuello, as doses serão distribuídas a todo o Brasil por meio do Programa Nacional de Imunizações (PNI).

Anúncio Patrocinado