O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) tem 87.364 gaúchos na fila de pedidos de aposentadorias e benefícios. No país, esse número salta para mais de 1,2 milhão de pessoas.

Os dados foram repassados à reportagem de GZH, via Lei de Acesso a Informação, pelo INSS e tem como base 30 de setembro deste ano.

Quase metade desses pedidos, 43.194, se referem à aposentadorias. Pouco mais de 28 mil dependem de ações do INSS e no restante há pendências por parte do segurado. A maior parte, 25.607 são pedidos de aposentadoria por tempo de contribuição.

Outros 3.088 gaúchos esperam por pedidos para receber o Benefício de Prestação Continuada (BPC) – que é pago para pessoas com mais de 65 anos que comprovem baixa renda. O valor do BPC é de um salário mínimo mensal, R$ 1.045.

De acordo com o INSS, mais de 30 mil pessoas esperam no Estado por benefícios por incapacidade. A maior parte, 29.179 são de pedidos de auxílio doença. Já as pensões por morte, chegam a 10.610.

A reportagem de GZH questionou o INSS se há um prazo para que as filas sejam zeradas, mas de acordo com o órgão não é possível fazer essa estimativa:

“Conforme esclarecimentos prestados pela área técnica da Diretoria de Atendimento do INSS, não há dados estruturados que permitam estimar prazo para atendimento dos pedidos que aguardam a análise de requerimento”.

No país, o número de pessoas aguardando a uma resposta do INSS sobre aposentadorias e benefícios está em 1.222.394. Desse total 791 mil esperam por uma posição do próprio instituto, outros 431 mil segurados precisam prestar algum tipo de informação ao INSS antes que os pedidos tenham continuidade. O número de pedido de aposentadorias chega a meio milhão.

No caso das pensões por morte, há 207.512 pedidos aguardando resposta. E outros 82.352 brasileiros aguardam por um retorno em relação ao BPC. Já os pedidos de benefícios por incapacidade chegam a 432.364.

Anúncio Patrocinado