Em encontro virtual, realizado na terça-feira (30), estiveram reunidos extensionistas da Emater/RS-Ascar, Unidade de Cooperativismo de Erechim (UCP), professores do Instituto Federal Rio Grande do Sul (IFRS) – campus de Erechim, da Secretaria Municipal de Agricultura de Erechim, e do Centro de Apoio e Promoção da Agroecologia (Capa). No encontro foram apresentadas propostas para rótulos dos produtos de agroindústrias familiares da região do Alto Uruguai. O projeto, que envolve estas entidades, visa oferecer às agroindústrias um visual mais atual e atrativo para seus rótulos. Também foram apresentadas propostas de embalagens que ofereçam melhores condições de visualização do produto e de embalagens a partir de materiais mais adequados ao meio ambiente.

Os trabalhos foram realizados em oito agroindústrias de produtos oriundos da cana-de-açúcar e da mandioca, assessoradas pela Emater/RS-Ascar e pelo Capa. A cana-de-açúcar e mandioca foram escolhidas porque representam um pouco da tradição alimentar dos habitantes da região do Alto Uruguai e as agroindústrias foram selecionadas dentro do rol existente na região.

O projeto envolve acadêmicos do curso de Curso Design em Modas ministrado no campus de Erechim do IFRS. Através de uma bolsa de pesquisa a aluna do curso de Design e Moda, Kelsen Rosset, elaborou, partindo de um padrão de consumidor e de seus interesses, objetivos analisando ainda a família, a agroindústria, os produtos elaborados entre outros itens. O trabalho foi acompanhado pelas professoras Andreia Mesacasa do curso de Design e Moda e Valeria Borszcz do curso de Engenharia de Alimentos.

Participam da reunião extensionistas da Emater/RS-Ascar do Escritório Regional de Erechim, da Unidade de Cooperativismo de Erechim (UCP) dos escritórios municipais de Marcelino Ramos, de São Valentim, de Aratiba, Carlos Gomes, Erval Grande e de Erechim. Na avaliação dos participantes, o trabalho ficou bem consistente e produziu boas propostas de rótulos para as agroindústrias, conforme pode ser observado na proposta para a agroindústria Libero, de Aratiba.

O extensionista rural, agrônomo Carlos Angonese, sugere que o trabalho possa ter continuidade, com algumas agroindústrias por semestre, aproveitando o potencial criativo dos alunos. “O vasto conhecimento do Instituto Federal e seus professores, oportuniza aos alunos envolvidos no projeto, a convivência e experiências com o dia a dia de sua futura profissão. Trata-se de um projeto onde todos ganham, a comunidade, o IFRS, as agroindústrias, os consumidores a Emater, e o Capa que têm seus trabalhos de assessoria complementados, pontua.

Anúncio Patrocinado