Cinco envolvidos no ataque à Unidade de Pronto Atendimento 24 Horas Zona Norte, em Caxias do Sul, que resultou na morte do servidor penitenciário Clóvis Antônio Roman, 54 anos, já foram presos. O anúncio ocorreu no final da manhã desta quarta-feira durante entrevista coletiva à imprensa de todas as forças de segurança pública gaúcha na sede do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), em Porto Alegre.

Houve ainda a confirmação de que o detento foragido, vulgo Mig, de 29 anos, autor do crime, tirou a própria vida no momento da ação policial deflagrada no início desta manhã no apartamento do andar térreo de um prédio residencial na avenida Independência, em Porto Alegre. “Ele não iria se entregar e estava esperando armado para reagir ao ingresso das forças de segurança”, apurou a Chefe de Polícia, delegada Nadine Anflor.

O titular da 8ª Delegacia de Polícia Regional do Interior (8ª DPRI), delegado Cleber dos Santos Lima, revelou que o ataque no posto de saúde foi planejado há cerca de 15 dias dentro do sistema prisional. Ele destacou a “gama de provas” contra os participantes do ataque, citando como exemplo o material coletado pelo Instituto-Geral de Perícias. “Queremos formalizar um inquérito robusto para que estes indivíduos permaneçam presos”, frisou.

Entre os cinco presos estão os três criminosos que invadiram a unidade de saúde e aparecem nas imagens das câmeras de monitoramento. Dois deles foram presos em Porto Alegre, sendo que um deles no apartamento da avenida Independência e o outro no imóvel da rua Santa Cecília. Já o terceiro foi capturado em Portão. A mulher de Mig foi detida em Três Cachoeiras. As ações mobilizaram a Polícia Civil e a Brigada Militar.

“Todos estão com mandado de prisão temporária e estão sendo conduzidos para Caxias do Sul”, observou o diretor da 8ª DPRI. “Falta apenas, mas é uma questão de tempo pegá-lo…Ninguém escapa”, assegurou, referindo-se ao motorista do Volkswagen Passat usado pelos criminosos na invasão do posto de saúde.

Anúncio Patrocinado