A informação chegou a Aratiba, cidade natal do engenheiro, neste domingo.

O assassinato de uma mulher no início da noite do réveillon, tirou o brilho da festa da virada na Orla Norte de Porto Seguro, na Bahia. A maior parte da imprensa daquele estado só publicou neste domingo (2), o fato que ocorreu em uma casa de um condomínio fechado. O engenheiro Reges Amauri Krucinski (42), foi preso com três armas e muita munição, após matar a mulher, segundo publicação do site Radar 64. Segundo a polícia, Reges confessou que atirou na jornalista Juliana de Freitas Alves (41), durante uma discussão na noite de 31 de dezembro. O crime teria sido presenciado pela filha de Juliana, de 10 anos, e por uma babá da família. Ele é natural de Aratiba, onde trabalhou por vários anos.

Pouco tempo depois, a Polícia Militar encontrou o engenheiro em uma rua próxima, todo ensanguentado. Ele declarou que após assassinar Juliana com uma das armas que tinha em casa ainda atirou na própria perna.

A polícia fez buscas na residência e apreendeu uma pistola calibre 380, um revólver 357 e uma espingarda calibre 12, além de 183 munições de calibres variados. De acordo com a PM, o engenheiro falou que é praticante de tiro esportivo e dono de uma empresa de automação industrial.

Além da babá e da filha de 10 anos que Juliana teve em outro relacionamento, também estavam na casa uma irmã de Juliana, uma filha de Reges de 13 anos, um bebê de 11 meses, filho do casal, e outra empregada.

Ao RADAR 64, uma sobrinha de Juliana afirmou que os dois eram moradores de São Bernardo do Campo (SP) e estavam casados há cerca de dois anos. Eles se mudaram para Porto Seguro há menos de 60 dias, onde pretendiam fixar residência e abrir um hotel. Conforme ela, Juliana, apesar de ser formada em jornalismo, nunca tinha exercido a profissão.

Anúncio Patrocinado