Na maior parte das regiões do Rio Grande do Sul, as pastagens anuais de inverno já foram implantadas e estão com bom desenvolvimento, mesmo com a ocorrência de dias com baixa insolação. De acordo com o Informativo Conjuntural, produzido e divulgado nesta quinta-feira (19) pelas gerências de Planejamento e Comunicação da Emater/RS-Ascar, vinculada à Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), as adubações em cobertura estão sendo utilizadas com muito critério a fim de evitar perdas, principalmente devido à elevação dos preços dos insumos.

Apesar da menor qualidade nutricional, as pastagens nativas ainda apresentam capacidade de suporte ao pastejo dos animais, em especial nas propriedades que reduziram a lotação ou que diferiram potreiros para permitir o acúmulo de forragem para o final do outono.

Na regional da Emater/RS-Ascar de Bagé, em municípios onde os produtores fizeram o plantio tardio das lavouras de soja, as áreas foram recentemente liberadas para dar início ao plantio de pastagens de inverno. Na regional de Caxias do Sul, nos dias em que o solo ficou encharcado, muitos produtores optaram por cortar e oferecer o pasto diretamente nos cochos para evitar a compactação pelo pisoteio e o arrancamento das forragens.

Na regional de Passo Fundo, as áreas de pastagens perenes de verão e os campos nativos têm sido utilizados como área de descanso dos animais e como fonte de fibras complementar às pastagens em fase inicial de pastoreio. Na regional de Pelotas, restevas de arroz ainda permanecem como opção estratégica para forrageio neste período, porém, com a tendência de frio para as próximas semanas, sua capacidade de suporte tende a diminuir.

Grãos
Soja: Em algumas regiões, a colheita foi intensa na semana, como é o caso da região Sul. Mais ao Norte do Estado, as condições de chuva e umidade não possibilitaram grandes avanços na colheita que chega a 90%, o restante (10%) está em fase de maturação.

Milho: Algumas regiões avançaram com a colheita na semana; em outras, a umidade dos grãos não permitiu o avanço da atividade. As lavouras de safrinha apresentam melhores produtividades que as da safra em algumas localidades. A possibilidade de ocorrência das primeiras geadas preocupa os produtores que estão com milho ainda em fase de enchimento de grãos. Do total da área implantada, 89% estão colhidas, 10% em maturação e 1% ainda em enchimento de grãos.

Arroz: A colheita avançou 1% na semana, chegando em 98% da safra do Estado. Outros 2% da área total implanta está em fase de maturação.

Feijão 1ª e 2ª safra: Na regional da Emater/RS-Ascar de Caxias do Sul, a colheita do feijão primeira safra foi concluída, com produtividade média de 1.968 kg/ha. Na de Pelotas, restam pequenas áreas de produção para o autoconsumo. Na regional de Ijuí, iniciou a colheita do feijão de segunda safra. O produto colhido é de boa qualidade, sem danos causados pelo excesso de chuvas dos últimos 15 dias. Contudo, ocorre queda significativa do preço pago ao produtor.

Olerícolas
Na regional da Emater/RS-Ascar de Bagé, os produtores de Rosário do Sul, na Campanha, estão se dedicando a incrementar sua produção; alguns investem na melhoria de infraestrutura, estufas e irrigação. A comercialização ocorre em pontos de venda na rua e direto ao consumidor, em estabelecimentos comerciais e também para o PNAE. Através de mídias digitais, alguns produtores oferecem e montam kits a serem entregues à domicílio por agendamento. As principais hortaliças cultivadas são alface, couve, repolho, tempero verde, abóbora, batata-doce e aipim. Em Alegrete, na Fronteira Oeste, os produtores de olerícolas estão retomando a semeadura dos viveiros. De maneira geral, as culturas folhosas estão com bom desenvolvimento. Para a do tomate, foi iniciada outra fase de transplante, e segue a colheita. A cultura do repolho está em colheita, e iniciam-se novos plantios. A beterraba e a cenoura estão em fase final de colheita. A mandioca e a batata-doce estão em pleno desenvolvimento. Em Quaraí, as produções estão em boa fase, e as hortas apresentam boas condições de produção e sanitárias, sem maiores problemas com doenças. É um momento de intenso plantio de diversas espécies de hortaliças, principalmente folhosas e tubérculos da estação.

Frutícolas
Na regional da Emater/RS-Ascar de Ijuí, segue a colheita das frutas cítricas e a comercialização na região. O preço da bergamota segue em R$ 3,50/kg, e da laranja subiu para R$ 2,40/kg em média. Com a chegada do frio, baixou a procura por frutas. Nos pomares, há queda acentuada de frutos, principalmente de bergamotas. Na cultura do morangueiro, os produtores finalizaram o preparo dos canteiros e esperam pela chegada das mudas importadas para o início do plantio. O preço médio da fruta está em R$ 22,20/kg.

No Litoral Norte, na regional de Porto Alegre, a banana está produtiva, os pomares apresentam bom estado de estrutura foliar e aspecto nutricional, e a formação de cachos está em ritmo adequado. Há boa oferta de produto, porém o período apresentou a tendência histórica de redução de procura, depreciando a cotação: o quilo da fruta de banana Prata de primeira qualidade está em R$ 2,80, e R$ 1,82 de qualidade mediana; para as frutas da Caturra, o quilo é cotado em R$ 1,60. Essa situação pode ser causada pela concorrência com as frutas cítricas e pelo início de safra especialmente no norte de Minas Gerais. A colheita do açaí juçara, nas encostas do litoral, iniciou; a procura foi aquecida pelo turismo; e a cotação está em R$ 4,00/kg.

Anúncio Patrocinado
FONTEAssessoria de Imprensa Emater/RS-Ascar
Artigo anteriorDia do Apicultor: profissionalização é fundamental para a atividade
Próximo artigoExercícios trazem mais felicidade que dinheiro, diz estudo