O Concílio Vaticano II, realizado de 1962 a 1965, recomendou a retomada do Sínodo dos Bispos, conselho representativo de todo o Episcopado católico para a participação na solicitude do Papa pela Igreja Católica Universal. Em setembro de 1965, o Papa Paulo VI o confirmou com assembleias gerais ordinárias de três em três anos e extraordinárias, bem como especiais, conforme a necessidade.

Em fevereiro de 2020, Papa Francisco convocou a 16ª Assembleia Geral Ordinária do Sínodo com o tema: Por uma Igreja Sinodal: Comunhão, Participação e Missão. Ela terá um processo mais amplo de participação do que as anteriores, com uma fase nas Arquidioceses e Dioceses, até julho deste ano; outra em nível continental, até junho de 2023 e a terceira em nível de Igreja Universal em Roma, em outubro do mesmo ano, e por fim a fase da execução.

No dia 10 de outubro do ano passado, em missa na Basílica São Pedro, em Roma, Papa Francisco fez a abertura dessa assembleia em nível universal. No domingo seguinte, os Arcebispos e Bispos fizeram a abertura da mesma nas Arquidioceses e Dioceses. É a fase da escuta e da reflexão envolvendo todas as comunidades, paróquias, movimentos e vida consagrada.

Em nossa Diocese, a comissão desta fase diocesana da Assembleia Sinodal preparou subsídio com algumas questões para serem aprofundadas nas comunidades das 30 paróquias, setores de pastoral e outros grupos de Igreja com respectiva síntese das reflexões. A síntese devia reunir as respostas às questões em torno de 10 eixos sugeridos pelo roteiro de preparação do Sínodo da sua Secretaria Geral que são: quem caminha conosco; a quem escutar; tomar a palavra; celebrar; corresponsáveis na missão; dialogar na Igreja e na sociedade; dialogar com as outras confissões cristãs (ecumenismo); autoridade e participação; discernir e decidir; formar-se na sinodalidade.

Na sua reunião do mês de junho, as Áreas Pastorais analisaram a síntese de cada paróquia. Até o final deste mês de julho, a comissão diocesana fará uma síntese de tudo, em 10 páginas, para ser enviada à CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil). Esta, por sua vez, fará o relatório das sínteses de todas as Arquidioceses e Dioceses do Brasil e enviará para o Conselho Episcopal Latino-americano (CELAM), o qual fará o relatório continental e enviará à Secretaria Geral do Sínodo dos Bispos, em Roma.

Anúncio Patrocinado
FONTEAssessoria de Comunicação da Diocese de Erexim
Artigo anteriorComo pais devem lidar com os medos que afligem as crianças
Próximo artigoDiocese de Erexim realiza segundo encontro vocacional deste ano