A música e a saúde mental: por que devemos aprender um instrumento musical?

292

Não é nenhum segredo que aprender a tocar um instrumento musical ajuda a manter a mente aguçada, particularmente à medida que envelhecemos. Existem vários estudos sobre o assunto. Os benefícios adicionais incluem a redução do estresse e a diminuição da pressão arterial, além de ajudar a combater a ansiedade e a depressão. Mas com tantas vantagens assim, por que não há mais pessoas escolhendo um instrumento e embarcando no maravilhoso mundo da música?

Durante a minha juventude, crescendo em Detroit, Michigan, estive sempre cercado pela música. Estes anos de formação serviram de base para uma carreira bem-sucedida de shows e discos, além de me levarem a uma vida no ramo da música. Aprendi, em primeira mão, que a música pode enriquecer sua vida de inúmeras maneiras, sendo a felicidade a mais importante delas.

Saúde mental
Há muito se sabe que canalizar sua energia para algo positivo desempenha um papel importante no combate à ansiedade e depressão. Muitos médicos e psicólogos sugerem foco e relaxamento. Como resultado, a yoga e a meditação tornaram-se ferramentas essenciais para o bem-estar mental e que podem ser aplicadas na aprendizagem musical também. Quando se concentra na melodia e nas notas tocadas, você coloca a sua atenção na tarefa em questão. O imenso foco nos padrões rítmicos e/ou melódicos, geralmente pode ser relaxante e calmante.

Baixe sua pressão arterial
Aprender a tocar um instrumento também pode ajudar a combater o estresse, uma das principais causas da pressão arterial elevada. Descobertas recentes indicam que as músicas com cerca de 60 batidas por minuto são as mais eficientes para envolver o cérebro, fazendo com que ele se sincronize com o ritmo, induzindo as ondas cerebrais alfa. Este processo de aprendizagem é vital, pois são nossas ondas cerebrais que ditam nosso estado de relaxamento e consciência. Dois gêneros que costumam usar essa “regra de ouro” das batidas por minuto incluem o jazz e a música clássica. Então, aprender esses estilos pode ser particularmente benéfico. Professores da Universidade de Florença, na Itália, alegam que pesquisas recentes ilustram os impactos positivos que a música exerce sobre a pressão sanguínea, destacando seus potenciais benefícios.

Função cerebral e memória
Pode parecer óbvio, mas a nossa “memória” e a “capacidade de aprender um instrumento” estão intimamente interligadas. É por isso que praticamos a mesma música repetidamente até que possamos tocar uma canção, sem olhar para a partitura. No entanto, a forma como o cérebro funciona quando aprendemos um instrumento é extraordinária, e o cérebro dos músicos são funcionalmente diferentes. A parte responsável pela memória torna-se mais ativa e, em alguns casos, pode aumentar. Então, embora você possa associar o treino do cérebro a quebra-cabeças e palavras cruzadas, aprender um instrumento musical é uma verdadeira malhação para a sua massa cinzenta. Além disso, seus amigos vão preferir ouvir uma música que você aprendeu do que saber o que significa aquela palavra complicada das cruzadinhas.

Senso de realização e paciência
Não há nada como a satisfação de concluir algo ao qual você dedicou muito tempo e esforço, como encaixar a última peça de um quebra-cabeças ou ler a última página de um livro. Quando a tarefa exige muito, como é o caso de aprender instrumento musical, essa sensação de realização torna-se ainda maior. Não é fácil, nem rápido, e você enfrentará obstáculos em sua jornada como novato até virar um talento. Aprender aqueles acordes complicados, chegar até o final da música dos seus sonhos sem errar nenhuma nota, tudo exige paciência – outra habilidade valiosa para desenvolver na sua vida cotidiana.

Com todos esses benefícios – e o direito de se gabar por ter uma nova habilidade para exibir aos familiares e amigos – o que você está esperando?