Aratiba sedia colheita da laranja no Alto Uruguai

2528

A abertura simbólica da colheita da laranja valência na região do Alto Uruguai foi realizada, nesta terça-feira (25), na propriedade do produtor Miguel Trentin, localizada na Linha Gruta, em Aratiba. A atividade contou com a presença dos prefeitos de Aratiba e de Três Arroios, Luiz Ângelo Poletto e Lírio Zarichta, além do vice-prefeito de Barra do Rio Azul, Carlos Zamadei, do gerente regional adjunto do escritório regional da Emater/RS-Ascar de Erechim, Neri Montepó, e reuniu citricultores e extensionistas dos municípios de Aratiba, Três Arroios, Severiano de Almeida, Mariano Moro, Marcelino Ramos, Itatiba do Sul, Barra do Rio Azul e Erval Grande.

Na propriedade, com dois hectares de citros, foi colhido um pé de laranja que rendeu 74 quilos da fruta, com brix 10, considerado “excelente” pelos técnicos da Emater/RS-Ascar. A projeção é de colher 35 toneladas por hectare. A área total da propriedade é de 6,2 hectares, sendo 5,8 ha destinados à fruticultura.

Já na região, a estimativa para a safra é de colher de 20 a 23 toneladas por hectare. Na região do Alto Uruguai, são produzidos 2.657 hectares com laranja, sendo mais de 90% da área cultivada com a variedade Valência.

Visita técnica
Outra parte da programação foi realizada na Unidade de Beneficiamento da Citrus Griebler, onde os participantes acompanharam explicação técnica sobre os procedimentos com a fruta na unidade. No local, o citricultor João Griebler destacou as vantagens econômicas obtidas com a atividade, executada há 35 anos, e hoje conta com 100 hectares de área cultivada com frutas. A ideia, segundo o produtor, é fechar o ciclo da produção com variedades que produzam o ano todo. “Temos que ser otimista. Esta é uma atividade muito rentável”, assegurou. Mas chamou atenção para o mercado “cada vez mais exigente com a qualidade da fruta”. Também agradeceu a prefeitura e a assistência técnica da Emater/RS-Ascar.

Neri Montepó observou que a fruticultura movimenta na região do Alto Uruguai de R$ 36 a R$ 40 milhões por safra. “Vamos investir em tecnologia para que a citricultura cresça e se torne a principal atividade da região do Alto Uruguai”, disse, ao destacar o clima e solo favoráveis para a atividade.

O prefeito Luiz Ângelo Poletto destacou que a administração sempre investiu na diversificação da produção, enumerando diversas potencialidades do município, como suinocultura, criação de gado e reflorestamento. Só na produção de uva, Poletto destacou o cultivo de 42 hectares. “Estamos incentivando e valorizando o agricultor”, disse, ao acrescentar que, “com isso, muitos jovens também estão retornando ao meio rural”.

O evento foi promovido pela Prefeitura de Aratiba, Emater/RS-Ascar e Comitê Técnico Setorial de Citricultura do Alto Uruguai, vinculado à Agência de Desenvolvimento da região. O evento encerrou com um coquetel com produtos à base de critos.