Bovespa para duas vezes, afunda 14,7% e leva o maior tombo em quase 22 anos

89

Os mercados viveram mais um dia de fortes turbulências nesta quinta-feira (12), após o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciar, por causa da pandemia de coronavírus, a suspensão de viagens a partir da Europa por 30 dias. A piora no cenário derreteu as bolsas de valores de todos os países. O Ibovespa despencou 14,78% e registrou a maior queda em quase 22 anos. O dólar bateu novos recordes no Brasil, e os preços do petróleo recuaram.

Na Europa, as bolsas tiveram quedas históricas, com os principais indicadores fechando em baixa de mais de 10%. As ações de viagem e lazer despencaram ao menor nível desde 2013, com Air France KLM, Lufthansa e IAG perdendo mais de 10%.

Nos Estados Unidos, as bolsas fecharam em queda de quase 10%, encerrando o maior período de mercado em alta da história do país. O índice Dow Jones registrou a maior perda desde 1987.

Entre as commodities, o petróleo fechou em forte queda, influenciado também por uma inundação de oferta barata no mercado após a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos terem afirmado que elevarão a produção em meio a uma disputa com a Rússia.

O que é uma pandemia
Veja os principais destaques do dia:

Dólar: fechou em alta 1,41%, a R$ 4,7882 (na máxima, bateu R$ 5,0277)
Bovespa: fechou em queda de 14,78% (circuit breaker foi acionado duas vezes)
Ação da Petrobras (PETR3): fechou em queda queda de 19,55%
Ação com maior queda no Ibovespa: Gol, fechou em queda de 35,08%
Barril do petróleo Brent: fechou em queda de 7,2%, a US$ 33,22
Barril do petróleo WTI: fechou em queda de 4,5%, a US$ 31,50
Bolsa de NY (Dow Jones): fechou em queda de 9,99% (circuit breaker foi acionado na abertura)
Bolsa de Frankfurt: fechou em queda de 12,24%
Bolsa de Paris: fechou em queda de 12,28%
Bolsa de Londres: fechou em queda de 10,87%
Bolsa de Tóquio: fechou em queda de 4,41%
Bolsa de Xangai: fechou em queda de 1,52%