Dom José indica escuta silenciosa, oração e adoração, fé e amor diante da Paixão de Cristo

86

Na homilia da missa da manhã deste domingo de Ramos e da Paixão, na Catedral, Dom José ressaltou que, diante da narração do evangelho da paixão de Cristo, são necessárias atitudes de escuta silenciosa, oração e adoração, fé e amor.

O Bispo lembrou que, na liturgia bizantina, a entrada de Cristo em Jerusalém representa a sua entrada na alma daquele que crê, daquele que acolhe Jesus em sua vida. Os ramos cortados para festejar Jesus representam as virtudes com as quais o cristão O acolhe na própria vida, e ao mesmo tempo o caminho de purificação vivido na quaresma, através da oração, do jejum e da esmola.

Referindo-se à cruz na qual Cristo doou sua vida pela salvação da humanidade, Dom José afirmou que ela é o trono de onde Jesus contempla o rosto da multidão e de cada um de nós, atraindo para si homens e mulheres, jovens e crianças, de todas as raças e povos, de todos os segmentos da sociedade em todos os séculos, redimidos pelo seu sangue nela derramado. A partir deste momento, a cruz não é mais sinal de maldição e de vergonha, mas instrumento de triunfo, símbolo da derrota do ódio mediante o amor, da vitória da vida sobre a morte.