Horto Botânico da UHE Itá mantém genética da Floresta Estacional Decidual – Mata do Rio Uruguai

104

Um berçário da Floresta Estacional Decidual – Mata do Rio Uruguai, assim pode ser definido o Horto Botânico da Usina Hidrelétrica Itá. Instalado em 24 de agosto de 1986, no município de Itá (SC), há 33 anos é o responsável pela preservação das espécies de árvores nativas na região, em especial ao longo dos 11 municípios lindeiros ao reservatório da Usina. As margens do reservatório estão demarcadas 1.007 árvores matrizes distribuídas em 111 espécies diferentes, das quais são coletadas as sementes com a finalidade de preservar o material genético regional.

De acordo com o responsável técnico do Horto Botânico, Jusselei Edson Perin, o trabalho de cultivo e preservação inicia na coleta e seleção das sementes. Uma equipe de quatro colaboradores trabalha no Horto os quais são responsáveis pelo beneficiamento e plantio das sementes e condução das mudas. Perin destaca que algumas espécies como Timbaúva, Grápia e Bracatinga, por exemplo, possuem sementes mais duras, as quais precisam passar por um processo para a quebra da dormência, já outras sementes como as de Pitanga, Jabuticaba, Cereja, Ipês, Canelas e Araucária são colhidas e plantadas imediatamente.

As mudas levam de seis a 12 meses, da germinação até estarem prontas para o plantio nas Áreas de Preservação. A escolha das espécies para cada área a ser recuperada depende da tipologia do solo e do ambiente. “A equipe da Central de Manutenção é quem faz este plantio em campo. As mudas são selecionadas conforme a necessidade da área, avaliando os pontos mais críticos que precisam ser reflorestados, respeitando as especificidades daquele ambiente”, explica Perin. Nestes trabalhos de restauração da faixa ciliar são plantadas mais 100 espécies diferentes, com características distintas como: frutificação para fauna, crescimento rápido e rusticidade ao ambiente.

História
O Horto Botânica da Usina Hidrelétrica Itá pertence ao Consórcio Itá e possui uma área de 2,25 ha. Sua estrutura física conta com sementeiras, viveiro sombreado, estufa, galpões e escritório, além de 9.000m² para produção de mudas nativas e uma área de 3.000m² de vegetação nativa.

Desde sua fundação em 1986 passou por três fases: nas duas primeiras, teve o papel de produzir mudas para a arborização da nova cidade de Itá e das sedes dos núcleos relocados. Já na última e atual, tem se destinado à recuperação de áreas degradadas e à implantação da faixa de vegetação ciliar do entorno do lago.