Mulher acusada de matar o ex-marido em Itá é condenada em Júri

728

ITÁ – Em júri popular realizado nesta terça-feira no Clube Cruzeiro em Itá, a ré Ivete Schumann, 31 anos, foi condenada a 15 anos de prisão em regime fechado. Ela teve participação no crime de homicídio contra o ex-companheiro Dorival Rodrigues da Silva ocorrido em 2014.

Conforme a sentença, Ivete pegou 14 anos de prisão por homicídio qualificado por motivo torpe e mais um ano pelo crime de coação. Ela já havia sido julgada e condenada a 10 anos em 2015, mas o Ministério Público recorreu.

Na acusação atuou o promotor Vinícios Secco Zoponi. A defesa foi realizada pelo advogado Marcos Antonio Hall e a sessão presidida pela Juíza Thays Backes Arruda Reitz.

Outros envolvidos no caso já foram condenados. Em Júri Popular realizado em 27 de abril, no Clube Cruzeiro em Itá, o réu Lenoir Brisola Nunes foi condenado ao cumprimento de 17 anos de prisão também por homicídio qualificado e coesão contra a vítima Dorival Rodrigues da Silva. Já o réu Anilton Schmitz foi condenado a 8 anos.

O caso
Na época dos fatos, Ivanete, que era ex-mulher de Dorival, chamou a vítima para sair de casa. No posto de saúde que estava em construção no Bairro Natureza em Itá, eles se encontraram com Lenoir Brizola Nunes e Anilton Schmitz, que passaram a agredir a vítima.

Os acusados alegaram um possível caso de estupro envolvendo a irmã de um dos réus, apontando Dorival como o autor. Porém as investigações da polícia não comprovaram as acusações.

O corpo de Dorival Rodrigues da Silva, 53 anos, foi localizado na noite do domingo, 10 de agosto de 2014, por volta das 19h50. Os policiais constataram um corte e afundamento de crânio. Um irmão da vítima foi quem localizou o corpo e acionou os policiais.