Os riscos dos anti-inflamatórios para os rins dos idosos

295

Nas aulas de biologia, é fácil reconhecê-los: os rins vêm num par, num formato que lembra feijões. Zelam em silêncio pela nossa saúde, filtrando o sangue para eliminar substâncias nocivas ao organismo. Depois de passar por eles, o sangue segue, livre de toxinas, para as veias renais rumo ao coração e a urina leva as impurezas até a bexiga. É a “sujeira” eliminada que provoca o cheiro forte característico do xixi.

No entanto, essa eficiência discreta acaba fazendo com que as pessoas não se preocupem em monitorar a saúde do órgão. “A maioria sabe de cor suas taxas de colesterol e glicose, relacionadas ao risco de doença cardiovascular e diabetes, mas não presta atenção na creatinina, o principal marcador do rim”, alerta o nefrologista Eduardo Rocha, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com doutorado pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). “Ela detecta o nível de ‘sujeira’ no sangue, indicando se ele está ou não está filtrando como deveria”, completa.

Quando funcionam bem, os rins descartam os resíduos e a creatinina é baixa. Na verdade, existe uma espécie de “repescagem” no órgão, como explica o médico: “os glomérulos filtram tudo, mas há muitas substâncias importantes que devem ser reaproveitadas, e aí entram em ação os túbulos, que reabsorvem boa parte delas”. Já nascemos com os cerca de um milhão de glomérulos, as unidades funcionais responsáveis por retirar as impurezas.