Pare de buscar atividades para distrair seu filho na quarentena

273
Cute small kids carrying boxes playing together on moving day concept, active happy boy and girl chasing each other in living room, excited children having fun helping parents pack unpack in new home

Durante período de isolamento decorrente da COVID-19, muitos pais estão começando a observar um comportamento de inquietação e ansiedade maior em seus filhos de até 6 anos. Nesse contexto, a busca por brincadeiras e atividades em casa como uma solução para distrair os pequenos se intensificou.

Segundo a neuropsicóloga Tatiana Oliveira Serra, ficar em casa, sem poder exercer suas atividades rotineiras como ir ao parque, escola e encontrar os colegas, pode gerar ansiedade na criança, principalmente porque ela não tem controle da situação e observa que os pais também não têm.

No entanto, esse movimento de tentar entreter constantemente a criança é insustentável tanto para o convívio familiar quanto para a saúde mental das crianças e até dos próprios adultos.

“As crianças, assim como todos nós, também estão diante de um monte de emoções complexas. Muitas vezes, estão observando seus pais tensos, inseguros e com medo. Distraí-las do que elas estão sentindo, não vai impedi-las de sentir. Só vai impedir que elas compreendam e expressem o que estão sentindo”, explica a pedagoga e fundadora da Fábrica Desbrinquedo, Maíra Gomes.

Segundo Maíra, quando os pais buscam atividades na internet, com métodos pré-estabelecidos para a criança participar, talvez ela até se divirta, mas é preciso refletir: “como isso vai ajudar ela a expressar o que está sentindo?”.

Como se relacionar com seu filho criança nessa quarentena?
Nesse momento em que adultos e crianças têm convivido em tempo integral, é importante enxergar que brincar é uma forma de conexão e expressão da criança. É a linguagem que ela utiliza para interagir com o mundo.

Nesse sentido, o brincar livre (aquele que não é conduzido ou sugerido pelo adulto) tem uma grande potência. “Criar brincadeiras é algo que permite que a criança busque recursos internos, expresse suas emoções e interaja com o mundo que está diante dela”, afirma Maíra Gomes.

Pensando nisso, a neuropsicóloga Tatiana aponta diversas vantagens dessas brincadeiras para o desenvolvimento da criança:

– estimula a imaginação;
– ludicidade;
– criatividade;
– coordenação motora;
– resolução de problemas;
– raciocínio lógico;
– percepção corporal.