Pe. Agostinho Dors sucede a Pe. Paulo Bernardi na Paróquia São Pedro de Erechim

64

Em missa concelebrada por 9 padres, às 19h deste domingo (10), Dom José oficializou Pe. Agostinho Francisco Dors, ex-pároco da Paróquia Imaculada Conceição de Getúlio Vargas, como Pároco da Paróquia São Pedro, de Erechim. A missa teve a participação de 4 diáconos, em torno de 20 ministros, representantes das diversas comunidades da Paróquia São Pedro e uma caravana de 70 pessoas de Getúlio Vargas.

No início da celebração, Pe. Paulo Bernardi, até agora Pároco por 7 anos da Paróquia São Pedro, fez a apresentação dos diversos grupos presentes. Dom José apresentou Pe. Agostinho Dors a seus novos paroquianos e pediu a leitura do documento de sua nomeação de Pároco. Apresentou também o Diácono Lucas André Stein, com a leitura do documento de sua nomeação, que fará o estágio final de sua preparação para a ordenação presbiteral na Paróquia São Pedro, sob a orientação do seu Pároco.

Na homilia, o Bispo dirigiu-se ao Pe. Paulo destacando que enfrentou diversas dificuldades no início de seu trabalho na Paróquia São Pedro e que revitalizou a ação pastoral, a administração e a organização da infraestrutura das comunidades. Desejou ao Pe. Agostinho frutuoso trabalho na nova Paróquia, sob a inspiração do Apóstolo São Pedro, depois de 12 anos de zelosa ação pastoral em Getúlio Vargas. Disse também que o Diácono Lucas exercerá seu ministério sob a sua orientação. Prosseguiu refletindo sobre a vocação do profeta Isaías, de São Pedro e seus companheiros de pesca, chamados por Cristo a serem “pescadores de homens”, conforme as leituras bíblicas do domingo. Observou que Deus chama em circunstâncias diversas. A Isaías, durante uma solene liturgia; a São Pedro e companheiros, em seu local de trabalho, o lago de Genesaré. Isaías e São Pedro declararam-se indignos do chamado divino por se reconhecerem pecadores. Mas Deus quis contar com eles assim mesmo, transformando-os interiormente com sua graça. Exortou a todos a estarem atentos aos apelos de Deus, garantindo que a resposta positiva a Deus transforma a vida das pessoas e da história. Recomendou a oração pelos que anunciam o Evangelho, pelas vocações da Igreja, especialmente sacerdotais e religiosas.

Depois de sua reflexão, pediu ao Pe. Agostinho que renovasse os compromissos da ordenação presbiteral, em vista do encargo em que iria ser oficializado. Simbolizando sua missão de Pároco, entregou-lhe a Bíblia, a estola e a chave do sacrário. Ao fazê-lo, exortou-o a imitar Cristo com todas as suas forças, a ser ministro da misericórdia e do perdão de Deus e a revigorar-se continuamente pelo Pão do Altar que deve servir aos irmãos e irmãs.

Antes da conclusão da celebração, fizeram uso da palavra:

– Otília Loch, pelas comunidades, setores de pastoral, movimentos e conselhos da Paróquia, dando as boas-vindas ao Pe. Agostinho e ao Diácono Lucas, cujo ministério será luz, força e alento na vida dos paroquianos. Disse-lhes que poderão contar com o diálogo, a oração e a disposição de colaboração de todos, comprometidos o que devem ser, sal da terra e luz do mundo. Agradeceu à Paróquia de Getúlio Vargas pela participação no ministério do Pe. Agostinho, que agora será colocado a serviço desta Paróquia. Renovou agradecimentos ao Pe. Paulo, já expressos em diversos momentos.

– Shirlei Olukoski e Maria Benvegnú, pelos representantes da Paróquia de Getúlio Vargas. Recordou que quando Pe. Agostinho lá chegou, procuraram frases bonitas de boas-vindas, com grande expectativa por seu trabalho, pois haviam ouvido ótimas referências da atividade dele em São Valentim, onde estivera anteriormente. Agora, podiam comprovar tudo o que tinham ouvido, ressaltando que sua presença em Getúlio Vargas foi uma verdadeira bênção. Disse aos membros da Paróquia São Pedro que estavam recebendo verdadeira joia. Concluíram sua manifestação convidando a cantar ”amigos para sempre”, expressando seus sentimentos pelo Pe. Agostinho.

– Pe. Paulo, que começou dizendo que muita gente cita o Papa Francisco, mas que é difícil concretizar o que ele propõe. Referindo-se a ele, disse ter procurado ser pastor “com cheiro das ovelhas”. Esforçou-se por tratar a todos da mesma forma e que se sentiu gratificado pelas muitas demonstrações de carinho e gratidão que recebeu nos últimos dias. Garantiu ao Pe. Agostinho que pode contar com ele e desejou-lhe ótimo trabalho.

– Pe. Agostinho, dizendo de início que não falaria muito porque os representantes de Getúlio Vargas já o escutaram por 12 anos e que seus novos paroquianos o escutariam de agora em diante. Observou que mudar faz bem, mas não é fácil. Porém, o abraço da despedida e o calor da acolhida fazem superar o custo das transferências. Pelos contatos que já teve com pessoas e algumas comunidades da nova Paróquia, percebeu quanto trabalho o Pe. Paulo desenvolveu na ação pastoral, na organização administrativa, na formação de lideranças e como é estimado por sua dedicação. Agradeceu aos paroquianos de Getúlio Vargas pelo apoio, pela colaboração, pelos serviços para que pudesse realizar seu trabalho de padre junto a eles. Retomando a palavra de Isaías “eis-me aqui, envia-me”, diante do chamado de Deus, conforme a leitura da missa, declarou que ele estava chegando com a mesma determinação e poderiam contar com ele, dentro de suas limitações.