Por que o diagnóstico de Alzheimer é tão importante?

195

Em 2010, o número de pessoas com demência foi estimado em 36 milhões no mundo todo. Com a falta de medidas preventivas e curas, a letalidade fica mais alta a cada ano. O número de pessoas afetadas é projetado para duplicar a cada 20 anos, em 2050 serão 115 milhões de pessoas com Doença de Alzheimer.

O Alzheimer é uma doença neurodegenerativa progressiva, descoberta em 1907 com cerca de 70% dos casos de demência na velhice. A prevalência e incidência da doença de Alzheimer aumenta com o avançar da idade e é o tipo mais comum de demência em todo o mundo, causando sintomas como perda de memória, linguagem prejudicada, dificuldades de concentração e de tomada de decisão, confusão e desorientação.

A importância do diagnóstico
No País, mais da metade dos idosos brasileiros com Alzheimer ainda não sabe que possui a doença e, entre os pacientes diagnosticados, apenas um em cada quatro recebem o tratamento adequado. Quanto mais cedo o diagnóstico for feito, maiores serão as chances de tratar os sintomas corretamente, podendo postergar em anos a evolução da doença, os sintomas e complicações.

Como diagnosticar o Alzheimer
Entre os diferentes métodos de diagnóstico, a investigação progride ao nível da análise de biomarcadores, moléculas que refletem as lesões cerebrais características da doença. A atenção direciona-se para pequenas proteínas, denominadas beta-amiloide 42, ou seja, através de um exame de sangue em um laboratório de confiança solicitado pelo médico o paciente consegue antecipar esse diagnóstico.