Produtores do Alto Uruguai se preparam para plantio da safra de inverno

146

Com o final da colheita das lavouras de verão, os produtores da região do Alto Uruguai começam a se preparar para o plantio das culturas de inverno como o trigo e a cevada. No momento, os produtores buscam financiamentos nas agências bancárias para plantio das lavouras. Para a cultura do trigo, a previsão para a safra 2020/2021, é de incremento da área cultivada em relação a safra passada quando foram cultivados 30 mil hectares.

Nesta safra, foram semeados 233 mil hectares com soja. A produtividade inicial esperada de 3.848 kg/ha (64sc/ha), não foi atingida, ficando em 2.560 kg/ha (42sc/ha), com perdas de 33,5%. A saca está sendo comercializada, em média, a R$ 91,00, de acordo com levantamento do Escritório Regional da Emater/RS-Ascar de Erechim.

As lavouras de milho, com área cultivada de 42 mil hectares, restam menos de 1% da área plantada a ser colhida. A expectativa inicial de 9.274 kg/ha (154 sc/ha) também não se concretizou, baixando para 7.880 kg/ha (131, sc/ha) com perdas estimadas de 15% da produtividade inicial, de acordo com informativo conjuntural da Emater/RS-Ascar. O preço da saca baixou para R$ 41,00/sc. A colheita do milho destinado à silagem, com área de plantio de 16 mil hectares, também está encerrada.

Fruticultura
Na área de citricultura, está ocorrendo ataque de mosca das frutas. No momento, estão sendo colhidas as variedades precoces e comercializadas para consumo in natura. A área cultivada com laranjas é de 3.100,0 hectares. A previsão de aumento na área a ser plantada é de 100 hectares. Os pomares de bergamota da variedade precoce a satsuma okitsu estão colhidos. Já as variedades caí, dekopon, e comum estão sendo comercializadas com as frutas ainda verdes, com pouco sabor. Há pouca oferta de fruta madura.

Erva-mate
A colheita da erva-mate, com área de cultivo na região de 7 mil hectares, está em andamento.

Pastagens
Apesar das chuvas esparsas ocorridas na semana, as condições gerais das pastagens são ruins. O pastoreio das espécies anuais de inverno está atrasado. Houve dificuldades de implantação e baixa germinação dos trigos pastejo, das aveias e dos azevéns em virtude da baixa umidade do solo do período. A disponibilidade de forragem está baixa. As necessidades de fibra longa dos animais estão sendo supridas essencialmente pelas silagens.

Bovinocultura de corte
Bovinocultores enfrentam dificuldades de suprir as necessidades nutricionais dos rebanhos, em virtude da longa estiagem do período. As condições sanitárias gerais dos animais são boas, com todos os animais vacinados para febre aftosa. Preços estáveis, novilho sendo negociado, em média, R$ 6,50/kg; boi gordo R$ 6,00/kg para animais europeus e vacas R$ 5,00/Kg. Mercado essencialmente local.

Bovinocultura de leite
As perdas estimadas médias da região são de 20% da produção leiteira esperada para o período, devido a prolongada estiagem ocorrida. Silagem safrinha também está sendo afetada pela baixa precipitação pluviométrica. Rebanhos em boas condições sanitárias. A produtividade e a qualidade da segunda safra de silagem de milho estão comprometidas. O leite foi cotado a R$ 1,40/L.

Apicultura
Apicultores preparando as colmeias para o inverno e realizando as limpezas das caixas. Alguns apicultores estão alimentando as abelhas com intuito de fortalecer os enxames para melhor enfrentamento do inverno. Enxames em boas condições sanitárias. Preço do mel estável. O produto está sendo vendido pelos apicultores a R$ 7,00, no atacado e R$ 15,00/kg, no varejo, o pólen com embalagem de 130 gramas R$ 15,00; a própolis com embalagem de 100 ml R$ 15,00 e saches a R$ 50,00/kg.