Turistas gaúchos morrem afogados no litoral do Uruguai

245

Dois brasileiros morreram vítimas de afogamento, neste fim de semana, próximo ao Balneário de Piriápolis, no Uruguai. O jornalista Robson Pandolfi, 31 anos, e o professor universitário Alexandre Blankl Batista, 38 anos, ambos gaúchos, sumiram nas águas de Portezuelo, no encontro do Rio da Prata com o mar, no sábado (6), enquanto passavam o fim de tarde acompanhados de familiares.

Segundo relato de um familiar, os dois tomavam banho nas águas da região, acompanhados de um menino – sobrinho de Pandolfi. Ao sentir que no local onde estava não conseguia mais pisar no fundo, Batista teria empurrado a criança para perto da costa.

Após esse ato, ele e Pandolfi desapareceram. Os corpos foram encontrados na manhã deste domingo (7) após buscas realizadas por autoridades locais. As vítimas passavam as férias no país vizinho.

Natural de Mariano Moro, Pandolfi era formado em Jornalismo, sócio-diretor da agência de conteúdo República e foi professor universitário na UniRitter, onde lecionou nos cursos de Relações Internacionais e Jornalismo. Ele deixou esposa. Ricardo Lacerda, um dos sócios dele na República, disse que ainda “não caiu a ficha” sobre a morte do colega e amigo:

– Era uma figura sensacional. Uma pessoa afetuosa, brincalhona. Era obstinado com o trabalho. Fazia mestrado, dava aula. Tocávamos a República como parceiros há anos. Era um amigão antes de tudo, um amigão de todo mundo – descreveu Lacerda.

O repórter fotográfico Carlos Macedo, de GaúchaZH, foi colega de Pandolfi no Centro Universitário Metodista (IPA), e a amizade seguiu fora da sala de aula. Conforme Macedo, o companheiro era uma “promessa no jornalismo de dados”:

“Era meu amigo e parceiro. Adorava tocar violão, cantar e juntar os amigos para tardes intermináveis de churrasco e cerveja. Fã da revolução russa, leitor voraz, olhar apurado. Um homem das letras e dos números”, relatou o jornalista e fotógrafo.

Neste momento, familiares das vítimas estão tratando dos trâmites para o translado dos corpos para o Brasil. Pai de Robson, o radialista e também jornalista Décio Pandolfi informou que a expectativa é de que o corpo do jornalista saia do país vizinho na terça-feira (9). O velório e sepultamento serão realizados em Mariano Moro.

O jornalista Leonardo Pujol, ex-aluno, ex-funcionário de Pandolfi e atualmente um dos sócios da República, lamentou a perda e destacou a personalidade do colega:

“O Robson era um cara incrível, despojado de cerimônias, de humor mordaz e, sobretudo, um amigo fiel. Além do mais, era uma grande inspiração. Sua inteligência chamava atenção de quem quer que convivesse com ele. Vai fazer muita falta com certeza”, descreveu.

A outra vítima, Alexandre Blankl Batista, nasceu em Viamão, na Região Metropolitana, era casado e dava aula de História na Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste). O velório dele deverá ocorrer em Marechal Cândido Rondon, onde ele tinha residência.

Por meio de nota, o Itamaraty informou que “o Consulado-Geral do Brasil em Montevidéu está acompanhando o caso dos brasileiros falecidos, e está em contato com seus familiares”.

“Por questões de privacidade, o Itamaraty não informa detalhes sobre o caso”, diz trecho do comunicado.