‘Só queremos ele de volta’, diz mãe de menino que desapareceu há 10 dias em Planalto; investigação segue sem pistas

932

A Polícia Civil segue as investigações sobre o desaparecimento de Rafael Mateus Winques, de 11 anos, em Planalto, na Região Norte do estado. O menino sumiu há 10 dias, em 15 de maio. Segundo a família, ele foi dormir e na manhã seguinte não estava mais em casa.

“A gente quer uma luz, uma notícia que diga que viram ele em algum lugar. Só queremos ele de volta em casa. Estamos desesperados. Não sei mais onde apelar, pra que lado pedir. Porque é um vazio imenso. Ele é nossa criança, tem 11 anos, mas é nossa criança”, disse a mãe de Rafael, Alexandra Dougokenki.

Nesta terça-feira (26), uma equipe do Departamento Estadual de Proteção a Grupos Vulneráveis vai se deslocar até Planalto para ajudar nas investigações.

Conforme a polícia, nenhuma linha de investigação foi abandonada. A tese de sequestro, nesse momento, está enfraquecida, já que não houve exigência de resgate.

A casa onde Rafael mora com a mãe e um irmão de 16 anos não possuía sinais de arrombamento no dia do desaparecimento.

“Por volta das 8h quando acordei, vi que a porta de casa estava apenas encostada, mas não trancada com a chave. Eu imaginei que ele estava na casa da minha mãe, que é em frente a minha. Então, eu estava tranquila achando que ele estava lá”, conta.

Na última sexta (22), o Instituto-Geral de Perícias (IGP) do Posto Criminalístico de Passo Fundo realizou perícias na casa da família, na residência da avó, e nos veículos dos familiares. Foi utilizado luminol, que é uma substância que reage com sangue, emitindo uma luz.

Além disso, foram feitas buscas com cães farejadores do Corpo de Bombeiros nas proximidades da residência. A polícia ouviu o depoimento de familiares, vizinhos e outras pessoas para compreender a dinâmica familiar e a personalidade do menino.

Câmeras de monitoramento da cidade foram analisadas. A polícia também realiza perícia no celular de Rafael para verificar possíveis dados apagados.

Em entrevista à RBS TV, a mãe de Rafael, Alexandra Dougokenki, contou que, na noite anterior, o filho havia pedido para que ela colocasse mais um cobertor na cama dele. “Coloquei e ele me deu boa noite normal. A gente não tinha noção que o Rafael ia dormir na cama dele e no outro dia a gente não ia encontrar o Rafael em casa.”