Em seus 85 anos, Diocese de Caxias do Sul acolhe seu quinto Bispo

169

Em missa comemorativa aos 85 anos de criação, na Catedral Santa Tereza D’Ávila, na tarde deste domingo (8), a Diocese de Caxias do Sul acolheu seu quinto Bispo, Dom Frei José Gislon, ex-bispo da Diocese de Erexim, que iniciou seu ministério episcopal naquela Igreja Particular. A missa foi concelebrada por 3 Arcebispos (Dom Rodolfo Weber, de Passo Fundo; Dom Jacinto Bergmann, de Pelotas; Dom Hélio Rubert, de Santa Maria), 14 Bispos (Dom Adilson Busin, auxiliar de Porto Alegre; Dom Odelir Magri, de Chapecó; Adelar Baruffi, de Cruz Alta; Carlos Rômulo Gonçalves da Silva, de Montenegro; Dom Vital Corbelini, de Marabá; Dom Orlando Dotti, emérito de Vacaria; Dom Antonio Carlos Altieri, emérito de Passo Fundo; Dom Zeno Hastenteufel, de Novo Hamburgo; Dom Leomar Brustolin, auxiliar de Porto Alegre; Irineu Gassen, emérito de Vacaria; Dom Sílvio Guterres Dutra, de Vacaria; Dom Ricardo Hoepers, de Rio Grande; Dom Jaime Kohl, de Osório; Dom Nei Paulo Moretto, emérito de Caxias do Sul) e mais de cem padres, com a participação de 4 diáconos, muitos religiosos e religiosas, diversos seminaristas, autoridades e elevado número de leigos e leigas no Catedral e nas proximidades acompanhando por telões. Da Diocese de Erexim, estavam presentes mais de 40 leigos e leigas, 4 seminaristas, 3 religiosas, 3 diáconos e 10 padres.

Acolhida do novo Bispo, entrega do Báculo e da Cátedra
Com canto solene de coral de muitas vozes, Dom José foi acolhido na porta da Catedral por seu Pároco, Pe. Paulo César Nodari, e pelo Administrador Apostólico, Dom Alessandro Ruffinoni, Bispo emérito da Diocese local, que lhe apresentaram a água benta para a sua aspersão e a da assembleia, o crucifixo para seu beijo e o conduziram para momento de oração na capela do Santíssimo.

Depois da entrada dos Bispos em procissão, Dom Alessandro procedeu ao sinal da cruz e à saudação litúrgica, O Chanceler da Diocese, Pe. Joone Fachinelli, pediu-lhe que desse posse canônica a Dom José como Bispo diocesano. Lido e apresentado ao Colégio dos Consultores e à assembleia o documento de nomeação assinado pelo Papa, Dom Alessandro entregou o Báculo de pastor a Dom José, ressaltando que o fazia no dia em que a Diocese completava 85 anos. Registrou que, com emoção e respeito, lhe entregava o Báculo do primeiro bispo da Diocese, Dom José Barea. Com ele, lhe entregava um povo bom, trabalhador, temente a Deus e devoto da Virgem Maria, bem como um clero numeroso e disponível m colaborar com o seu ministério junto ao povo que lhe era confiado. Entregue o Báculo, convidou-o a sentar-se na sua Cátedra.

Homilia de Dom José
A celebração prosseguiu com o canto solene do glória, a oração inicial, as leituras, salmo e Evangelho do 23º Domingo do tempo comum.

Dom José proferiu então sua primeira homilia em sua nova missão. Iniciou com ampla saudação aos bispos, aos padres, aos religiosos e religiosas, aos leigos e leigas engajados nos serviços eclesiais, às autoridades do Poder Executivo, Judiciário, Legislativo e Militar.

Continuou referindo-se à Palavra de Deus proclamada, que apresenta um caminho de luz com Cristo, possível de ser seguido por todos na fé. Nesse caminho, percebe-se a ação de Deus. Fora deste caminho, o ser humano anda com incertezas e inseguranças. O próprio Deus dá ao ser humano, criatura sua, a capacidade de entender o seu chamado de Pai amoroso e misericordioso. Pela sabedoria que lhe concede, alcança a salvação.

Enfatizou que todos são chamados a amar a Deus e aos irmãos. Longe de Deus, o ser humano permanece distante de sua vocação. Lembrando a exortação de São Paulo a seu amigo Filêmon de acolher como irmão na fé a alguém que lhe havia causado desgosto, recordou a necessidade de se saber acolher a todos. Mencionando o Evangelho, no qual Cristo coloca a renúncia aos laços familiares e aos bens e tomar a cruz de cada dia para ser seu discípulo, afirmou que a vida não tem sentido se não tiver por centro o Mestre e Senhor. Na adesão a Ele, é necessário viver a dimensão missionária da fé na família, na comunidade e na sociedade.

Lembrando a coincidência do início de seu ministério nos 85 anos da Diocese, convidou a todos à gratidão a Deus pelos antepassados, por sua fé, por seu empreendedorismo, por sua confiança no trabalho e esperança de poderem construir uma nova realidade para as futuras gerações. Chamou atenção para as grandes mudanças em toda região, para o movimento migratório e a insistência do Papa para que a Igreja seja em saída, profética, missionária e misericordiosa.

Fez referência aos jovens, dizendo que sua inquietude deve ser acolhida, respeitada e acompanhada.

Dirigiu palavra especial aos padres e religiosos, primeiros colaboradores do Bispo, com o pedido de ajudá-lo a “amar e servir o povo com caridade”, com espírito de pastor segundo o coração de Cristo pastor. Pastor que por vezes precisa caminhar à frente para indicar o caminho; outras vezes deve caminhar junto para compreender o rebanho; outras ainda, deve caminhar na retaguarda para proteger os últimos, e estar atento para que ninguém fique para trás. Por fim, expressou gratidão a Dom Alessandro, missionário scalabriniano, que partiu da Itália para servir a Igreja no Paraguai e no Brasil e que, depois de ser bispo auxiliar em Porto, conduziu esta Diocese desde 2011.

Leitura e assinatura da ata de posse canônica
Após a oração final da missa, o Chanceler do Bispado leu a ata do início do ministério episcopal de Dom José na Diocese de Caxias do Sul. Assinou-a e convidou Dom José a assiná-la, bem como aos bispos.

Pronunciamentos
– Do Pe. Cleocir Bonetti, pela Diocese de Erexim. Para ele, naquela região, os antepassados derramaram suor e lágrimas e o povo da região de Erexim se sente muito próximo dela, pois tem raízes comuns. Observou que se a Diocese de Caxias do Sul festeja seus 85 anos, quem lhe dá o presente maior é a Diocese de Erexim, Dom José. Expressou gratidão ao mesmo pelos 7 anos de seu ministério na Diocese. Mencionou algumas características dele, ternura e vigor, firmeza, perspicácia, arrojo, clareza de objetivos, exigente, muito presente na vida dos padres, atenção especial aos doentes. Disse ter certeza de que está em boas mãos e desejou que possa estar bem e cuidar bem do povo de Deus.

– Do Pe. Álvaro Pinzetta, Coordenador da Pastoral Presbiteral, pelos padres da Diocese. Agradeceu a Dom Alessandro, que passa o pastoreio da Diocese a Dom José, mas que continuará sendo muito lembrado onde quer que esteja. Passa a ser o mais novo avô dos padres e da Diocese. A Dom José expressou, de forma sincera e calorosa, o desejo de boas-vindas Lembrou que o ministério maior do Bispo é servir o povo de Deus. Povo que foi caracterizado por Dom João Becker, Arcebispo de Porto Alegre, quando do encaminhamento da criação da diocese não como rico, mas como capaz de sacrificar a vida pela fé. Lembrou-lhe a necessidade do cuidado dos padres, especialmente quando fragilizados pela idade ou pela doença. Recomendou-lhe usar de ternura e vigor, que seja um pai e franciscanamente irmão. Que cuide dos padres para eles poderem cuidar bem do povo.

– Irmã Ivone Rech, pela Vida Consagrada. Os religiosos estão presentes na região antes de a Diocese ser criada, atuando em diversos campos. Continuarão sua missão, irmanados na mesma fé, servindo a Deus e aos irmãos. Referiu-lhe a expressão de Santa Tereza de Ávila: nada te perturbe, nada te amedronte, tudo passa, a paciência tudo alcança… a quem tem Deus nada falta, só Deus basta. Assegurou-lhe também que pode contar com os religiosos e religiosas.

– José Jardelino de Souza – pelo Conselho de Leigos da Diocese. A partir da recomendação do Papa de que a Igreja esteja sempre em saída, disse que os leigos reassumem o compromisso batismal. Muitos deles estão engajados, conscientes de que devem levar seu serviço além do templo, sendo protagonistas da construção de uma sociedade nova. Pediu-lhe que esteja com eles e desejou-lhe saúde, alegria e longa vida, repleta de realizações pastorais.

Concluídas as manifestações, os quatro foram abraçar Dom José e Jardelino lhe entregou uma capelinha de N. Sra. de Caravaggio.

Dom José externou comovido agradecimento aos bispos, aos padres, aos Meios de Comunicação Social pela transmissão da cerimônia, ao coral, ao Pároco e equipe da Catedral, ao cerimoniário, Pe. Leandro e seminaristas aos participantes da missa, às pessoas que estavam preparando o jantar e a todas as que se dispuseram a acolher os participantes da missa. Garantiu esforçar-se para corresponder a todo este carinho. Concluiu a celebração com a invocação da bênção de Deus.