RGE alerta para os riscos de acidentes com a rede elétrica em áreas rurais

258

Os cuidados em relação à rede elétrica precisam estar presentes, também, nas lavouras e no meio rural. Fonte de renda e de desenvolvimento socioeconômico, a agricultura faz parte da vida de muitos municípios do interior do Rio Grande do Sul. Na área de concessão da RGE, que engloba a Serra, Norte e Fronteira Oeste, há uma forte presença de lavouras, principalmente de soja, trigo e arroz. Em função deste cenário, a RGE compartilha 10 dicas para que os trabalhos no campo sejam realizados com segurança, sem riscos com a rede elétrica.

Somente neste ano de 2020 foram registrados três acidentes na área de concessão da RGE. Dois deles, fatais, envolvendo o toque de máquinas agrícolas na rede elétrica. Por isso, um dos principais pontos a serem observados é o tamanho das máquinas. Uma haste mais extensa de um pulverizador ou colheitadeira, por exemplo, pode tocar na rede durante uma manobra e ocasionar uma descarga elétrica. Em muitas situações, as plantações também ultrapassam os limites de segurança das chamadas faixas de servidão (espaço de proteção e segurança existente entre os vegetais e a rede elétrica), aumentando o risco de acidentes.

“A RGE tem a segurança como seu principal valor e difunde, de maneira contínua, práticas que colaboram com a segurança dos seus clientes quando o assunto é energia elétrica. Sabemos que no meio rural cada vez mais há máquinas modernas e de grande porte trabalhando. Por isso chamamos a atenção para os cuidados em relação à rede, pois em muitas situações é inevitável que elas passem por dentro das lavouras”, destaca o gerente de Saúde e Segurança do Trabalho da CPFL Energia, Marcos Victor Lopes.

Os períodos mais críticos são o da preparação do solo e da colheita, quando se utilizam máquinas de grande porte. Nessas épocas, os agricultores devem redobrar os cuidados com as redes de energia, planejando as atividades previamente para evitar os acidentes. Visitar as áreas onde os trabalhos serão realizados, observando os locais onde existe rede e dimensionando as máquinas para a cumprimento de determinado serviço, é um exercício importante para a prevenção de acidentes.

Além disso, outros cuidados devem ser tomados, como evitar podas de árvores e roçadas próximas a fios energizados, instalação de postes no interior de propriedades por pessoas sem as devidas medidas de segurança e obras e reformas em propriedades sem isolamento de materiais condutores.

Consciente da importância em manter um trabalho permanente de orientação para a população, as distribuidoras do Grupo CPFL Energia trabalham fortemente sua campanha de segurança “Guardião da Vida”. Além de dicas e conselhos para a população em geral e trabalhadores dos centros urbanos, a campanha traz também informações sobre os cuidados que os trabalhadores rurais devem ter, ao desenvolverem atividades próximas às redes elétricas.

Confira abaixo as 10 dicas da campanha Guardião da Vida para prevenir e evitar acidentes no campo:

1. Planeje os trabalhos e observe se a altura e largura da máquina ou equipamento manterão distância segura da rede elétrica.

2. Caso os fios da rede estejam próximos, não se aproxime ou toque neles.

3. Ao manusear as máquinas agrícolas, desvie dos estais (cabos de aço que prendem os postes ao chão).

4. Ao manobrar veículos ou equipamentos, carga e descarga de caminhões, mantenha uma distância segura da rede elétrica.

5. Caso o veículo venha a encostar na rede elétrica, o motorista jamais deve tentar sair do maquinário. Neste caso, deve-se chamar imediatamente a distribuidora, que desligará a rede antes de resgatar o condutor.

6. Nunca estacione máquinas agrícolas debaixo da rede elétrica.

7. Não se aproxime ou toque na rede elétrica quando subir em uma árvore para colher frutas ou para fazer uma poda.

8. Tenha cuidado com os equipamentos de irrigação. Não deixe o jato de água dos irrigadores atingir os fios elétricos.

9. Nunca se aproxime ou toque em cabos elétricos caídos no chão. Se encontrar um fio elétrico caído, o mais adequado é sinalizar a área para que ninguém se aproxime e avisar imediatamente a distribuidora de energia.

10. Não faça queimadas perto das linhas de transmissão ou de distribuição. Além de colocar em risco a vida da população, essa prática pode danificar as estruturas do sistema elétrico, causando a queda dos postes e torres, provocando curtos-circuitos, o rompimento de cabos e interrompendo o fornecimento de energia para regiões ou até cidades inteiras.

Sobre a RGE
Responsável por distribuir 66,7% da energia elétrica consumida no Rio Grande do Sul e atender 2,9 milhões de clientes em 381 municípios gaúchos, a RGE é hoje a maior distribuidora da CPFL Energia em extensão territorial e número de cidades atendidas. A área de concessão da companhia, que é resultado do agrupamento das distribuidoras RGE e RGE Sul, realizado em janeiro de 2019, totaliza 189 mil km² de extensão, abrangendo as áreas urbanas e rurais das regiões Metropolitana, Centro-Oeste, Norte e Nordeste do estado.

Os investimentos realizados pela RGE contribuem para o desenvolvimento socioeconômico de locais de fundamental importância para a economia do estado, que vão desde fortes polos turísticos, agrícolas e pecuários, até grandes centros industriais e comerciais, trazendo mais bem-estar, conforto e infraestrutura para a vida de 7,4 milhões de gaúchos.

Sobre a CPFL Energia
A CPFL Energia, há 107 anos no setor elétrico, atua nos segmentos de distribuição, geração, comercialização e serviços. Desde janeiro de 2017, o Grupo faz parte da State Grid, estatal chinesa que é a segunda maior organização empresarial do mundo e a maior empresa de energia elétrica, atendendo 88% do território chinês e com operações na Itália, Austrália, Portugal, Filipinas e Hong Kong.

Com 14% de participação, a CPFL Energia é uma das maiores empresas no mercado de distribuição, totalizando mais de 9,7 milhões de clientes em 687 cidades, entre os estados de São Paulo, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Paraná. Na comercialização, é uma das líderes no mercado livre, com participação de mercado de 4%. É líder na comercialização de energia incentivada para clientes livres entre as comercializadoras.

Na geração, é a terceira maior agente privada do País, com um portfólio baseado em fontes limpas e renováveis, como grandes hidrelétricas, usinas eólicas, térmicas a biomassa, Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCH) e usina solar. Considerando a participação acionária na CPFL Renováveis (99,94%), maior empresa de geração da América Latina a partir de fontes alternativas de energia, a capacidade instalada do Grupo CPFL alcançou 4.304 MW, no final de setembro de 2019.

A CPFL Energia possui ações listadas no Novo Mercado da B3 e ADR Nível III na NYSE. O Grupo também ocupa posição de destaque em arte e cultura, entre os maiores investidores brasileiros, por meio do Instituto CPFL.