A transferência de Dom José e seus desdobramentos

377

A itinerância ou a mudança de local da ação pastoral de padres, bispos e agentes de pastoral leigos é constante na Igreja. Como na Diocese, o Bispo deve prover as paróquias de seu Pároco ou Administrador Paroquial, cabe ao Papa nomear o Bispo de uma Diocese escolhendo um padre, que deverá receber a ordenação episcopal ou transferindo Bispo da função em que se encontra.

Tendo o Papa Francisco aceito o pedido do Bispo de Caxias do Sul, Dom Alessandro Rufinoni, de renúncia à função por limite de idade, a Nunciatura Apostólica, depois de diversas consultas, apresentou-lhe lista tríplice de possível sucessor.

A escolha recaiu sobre Dom José Gislon, OFMCap, Bispo de Erexim.

Ele ficará na função até assumir aquela Diocese, no dia 08 de setembro, em missa na Catedral Santa Tereza, às 15h.

A partir daquele dia, a Diocese de Erexim passará a ser vacante. Se a Nunciatura não nomear um Administrador Apostólico, que normalmente é um bispo, para conduzir a Diocese até a nomeação do sucessor de Dom José, o Colégio de Consultores da própria Diocese, constituído por sete padres, deverá reunir-se dentro de oito dias e escolher um padre diocesano para a função de Administrador Diocesano até a referida nomeação. Ele responderá pela Diocese nas questões burocráticas e administrativas, sem em nada modificar o andamento dela.

A partir da transferência de Dom José, a Nunciatura Apostólica iniciará o processo de consulta a padres e outras pessoas, bem como aos Bispos da Província Eclesiástica ou até mesmo do Regional para a indicação de nomes de possíveis sucessores dele.

Neste dia da transferência, Dom José se encontra em Brasília, participando da reunião do Conselho Permanente da CNBB, marcada há mais tempo, iniciada nesta terça-feira (25) e que irá até quinta-feira (27) ao meio-dia. Ele estará em Erechim a partir de sexta-feira (28).

Nos próximos dias, certamente, ele tomará as providências necessárias para este período de transição.