Estado deve em torno de R$ 5,7 milhões para o Santa Terezinha

107

Entra governo, sai governo, e as dificuldades da saúde pública são as mesmas. Na época do governo José Ivo Sartori (MDB) a Fundação Hospitalar Santa Terezinha passou por grandes dificuldades, tanto no governo do ex-prefeito Polis (chegou a paralisar serviços de alta complexidade) como no governo de Luiz Schmidt que fez generosos repasses para que a casa de saúde pudesse pagar o custeio da estrutura.

Uma situação que uma hora acaba estourando, se o governo do Estado não regularizar a situação do que deve (os atrasados), passar a pagar em dia, e ainda melhorar os contratos que hoje estão defasados em função da demanda.

O diretor executivo do Santa Terezinha, Hélio Bianchi, afirmou que os atrasos  no governo Eduardo Leite (PSDB) persistem e os problemas são os mesmos. Segundo ele, tem em torno de R$ 5.7 milhões em atraso.

Tudo como era dantes no quartel de Abrantes. Um governo põe a culpa no outro e os problemas vão se agravando. Nada mudou por enquanto, afirmou Bianchi.